Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ilustração do Tacuinum Sanitatis, um livro medieval sobre o bem-estar.

Consumação ou a consumação de um casamento, em muitas tradições e leis do direito civil ou religioso, é o primeiro (ou primeiro oficialmente creditado) ato de relação sexual entre um homem e uma mulher, após o seu casamento com o outro. O seu significado jurídico surge das teorias de casamento como tendo o objetivo de produzir descendentes legalmente reconhecidos dos parceiros, ou de fornecer sanção de seus atos sexuais juntos, ou ambos, e equivale a uma cerimônia de casamento pela qual se completa a criação do estado de ser casado. Assim, em algumas tradições ocidentais, um casamento não é considerado um contrato vinculativo até que tenha sido consumado.

Dentro da Igreja Católica, uma união que ainda não foi consumado, independentemente do motivo da não consumação, pode ser dissolvido e anulado pelo Papa.[1] Além disso, a incapacidade ou a intenção de recusar-se a consumar o casamento é motivo provável para uma anulação. O Código de Direito Canônico Católico define[2] um casamento como consumado quando os

"Cônjuges realizaram entre si de uma forma humana de um ato conjugal que, por si só é adequado para a procriação da prole, para que o casamento é ordenado por sua natureza e pelo qual os cônjuges se tornam uma só carne."

Assim, alguns teólogos, como o padre John A. Hardon, S.J afirma que a ligação com a contracepção não consuma o casamento.[3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. canons 1697-1706
  2. canon 1061 §1
  3. Hardon, S.J., John. «Consummated Marriage». Pocket Catholic Dictionary. [S.l.]: Image Books. p. 91. ISBN 0385232381