Abrir menu principal

Cordeiro Pascal (Josefa de Óbidos)

pintura de Josefa de Óbidos
Cordeiro Pascal
Agnus Dei
Autor Josefa de Óbidos
Data 1660 a 1670
Técnica óleo sobre tela
Dimensões 88  × 116 
Localização Portugal Museu de Évora

Cordeiro Pascal (também conhecido como Cordeiro Místico ou Agnus Dei), é um óleo sobre tela, da autoria da pintora Josefa de Óbidos. Foi pintado entre 1660 e 1670 e mede 88 cm de altura e 116 cm de largura[1]. Fez parte da coleção de Frei Manuel do Cenáculo que está na origem do atual Museu de Évora.[2]

Índice

Outras versõesEditar

Josefa de Óbidos terá pintado também outras versões do mesmo tema, uma, sem a moldura floral, existe no Museu de Arte Walters, na cidade de Baltimore nos Estados Unidos da América[3] e outra faz parte da coleção do Paço dos Duques de Bragança em Guimarães[4]:

InterpretaçãoEditar

Representa iconograficamente o Cordeiro de Deus, uma representação de Jesus Cristo como cordeiro sacrificado para remissão dos pecados da Humanidade. Este surge num altar, com os pés atados e calmamente aceitando o seu destino. Encontra-se rodeado por uma moldura floral onde flores e uvas em referência da transubstanciação.[2] Numa legenda (que partilha com a versão do Museu de Arte Walters) lê-se a frase em latim: "occīsus ab orīgine mundī". Trata-se de uma citação bíblica do livro do Apocalipse[5]:

Et adorabunt eum omnes qui inhabitant terram quorum non sunt scripta nomina in libro vitae agni qui occisus est ab origine mundi.
Original (em latim): E todos os que habitam sobre a terra a adoraram, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro, que foi morto desde a fundação do mundo.

A influência de ZurbaránEditar

A figura do Cordeiro de Deus reflete uma série de pinturas do pintor espanhol Francisco de Zurbarán chamada Agnus Dei[3] que este realizou entre 1635 e 1640. A pintora teve, de facto, contacto com este artista através do seu pai, o também pintor Baltazar Gomes Figueira, que conviveu com o mesmo em Sevilha[6] e que também utilizou o mesmo carneiro na sua obra Natureza Morta com Cordeiro e Peças de Caça que pintou entre 1645 e 1655 exposto no mesmo museu elvense.[7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. [1]
  2. a b «Agnus Dei». MatrizNet. Consultado em 30 de janeiro de 2016 
  3. a b «The Sacrificial Lamb» (em inglês). Museu de Arte Walters. Consultado em 30 de janeiro de 2016 
  4. «Cordeiro Místico». MatrizNet. Consultado em 30 de janeiro de 2016 
  5. «Cordeiro Místico (Agnus Dei)». Museu de Évora. Consultado em 30 de janeiro de 2016 [ligação inativa]
  6. «Baltazar Gomes Figueira - bio». mosteiroalcobaca.pt. Consultado em 30 de janeiro de 2016 
  7. «Natureza Morta com Cordeiro e Peças de Caça». MatrizNet. Consultado em 31 de janeiro de 2016 
  Este artigo sobre pintura de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.