Corrente da Flórida

corrente oceânica

A Corrente da Flórida é uma corrente oceânica termal que flui do Estreito da Flórida ao redor da Península da Flórida e ao longo da costa sudeste dos Estados Unidos antes de se juntar à Corrente do Golfo perto do Cabo Hatteras. Suas correntes contribuintes são a Corrente de Loop e a Corrente das Antilhas. A corrente foi descoberta pelo explorador espanhol Juan Ponce de León em 1513.

Mapa da corrente da Flórida

A Corrente da Flórida resulta do movimento da água empurrada do Atlântico para o Mar do Caribe pela rotação da Terra (que exerce uma força maior no equador ). A água se acumula ao longo da América Central e flui para o norte, através do Canal de Yucatán, no Golfo do México. A água é aquecida no Golfo e expulsa pelo Estreito da Flórida, entre Florida Keys e Cuba, e flui para o norte ao longo da costa leste dos Estados Unidos. A Corrente da Flórida é freqüentemente referida de forma imprecisa como Corrente do Golfo. Na verdade, a Corrente da Flórida se junta à Corrente do Golfo na costa leste da Flórida.

TransporteEditar

A corrente da Flórida tem um transporte médio estimado de 30 Sv,[1][2][3] variando sazonalmente e interanualmente em até 10 Sv.[3] O transporte de volume aumenta à medida que flui mais para o norte, atingindo seu transporte máximo de 85 Sv perto do Cabo Hatteras.[4]

A água atinge uma velocidade de 1,8 m / s ou 3,6 nós.

Variação sazonalEditar

A corrente da Flórida atinge um transporte máximo em julho e um transporte mínimo em outubro, com um máximo e mínimo secundários subsequentes ocorrendo em janeiro e abril, respectivamente.[5] Variações mais curtas no transporte podem durar entre 2 e 20 dias dependendo dos padrões das correntes de vento, e são mais curtas durante os meses de verão.[6]

Escala espacialEditar

Como o transporte, a magnitude espacial da corrente aumenta ao longo de seu curso. A 27 ° N, tem uma largura de 80 km; aumenta gradualmente de 120 km a 29 ° N a 145 km onde deságua na Corrente do Golfo a 73 ° W.[7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Schmitz, William J. (1 de dezembro de 1968). «On the transport of the Florida current». Deep Sea Research and Oceanographic Abstracts (em inglês). 15: 679–693. Bibcode:1968DSROA..15..679S. doi:10.1016/0011-7471(68)90081-8 
  2. Leaman, Kevin D.; Molinari, Robert L.; Vertes, Peter S. (1 de maio de 1987). «Structure and Variability of the Florida Current at 27°N: April 1982–July 1984». Journal of Physical Oceanography. 17: 565–583. Bibcode:1987JPO....17..565L. ISSN 0022-3670. doi:10.1175/1520-0485(1987)017<0565:SAVOTF>2.0.CO;2 
  3. a b Schott, Friedrich A.; Lee, Thomas N.; Zantopp, Rainer (1 de setembro de 1988). «Variability of Structure and Transport of the Florida Current in the Period Range of Days to Seasonal». Journal of Physical Oceanography. 18: 1209–1230. Bibcode:1988JPO....18.1209S. ISSN 0022-3670. doi:10.1175/1520-0485(1988)018<1209:VOSATO>2.0.CO;2 
  4. Worthington; Kawai (1972). «Comparisons between deep sections across the Kuroshio and the Florida Current and Gulf Stream». In: Stommel; Yoshida. Kuroshio, its Physical Aspects. Tokyo: University of Tokyo Press. pp. 371–385 
  5. Montgomery, R (1938). «Fluctuations in the monthly sea level on the eastern U.S. Coast as related to dynamics of the western North Atlantic Ocean». Journal of Marine Research. 1: 32–37 
  6. Lee, T; Williams, E (1988). «Wind-forced transport fluctuations of the Florida Current». Journal of Physical Oceanography. 18: 937–946. doi:10.1175/1520-0485(1988)018<0937:wftfot>2.0.co;2 
  7. Leaman, K; Johns, E; Rossby, T (1989). «The average distribution of volume transport and Potential Vorticity with temperature at three sections across the Gulf Stream». Journal of Physical Oceanography. 19: 36–51. Bibcode:1989JPO....19...36L. doi:10.1175/1520-0485(1989)019<0036:TADOVT>2.0.CO;2 

Ligações externasEditar