Crise econômica sul-americana de 2002

A crise econômica sul-americana de 2002 foi um conjunto de perturbações econômicas que se desenvolveram em 2002 em países da América do Sul como Argentina, Brasil e Uruguai.[1]

A economia argentina sofria um déficit sustentado e de dívidas pendentes extremamente altas, e uma de suas tentativas de reforma incluiu a fixação de suas taxas de câmbio em dólares americanos. Quando o Brasil, como seu maior vizinho e parceiro comercial, desvalorizou sua própria moeda em 1999, a atrelagem argentina ao dólar norte-americano o impediu de igualar essa desvalorização, deixando seus bens comercializáveis ​​menos competitivos com as exportações brasileiras.[2]

Junto com o desequilíbrio comercial e o problema da balança de pagamentos, a necessidade de crédito para financiar seus déficits orçamentários tornou a economia argentina vulnerável à crise econômica e à instabilidade. Em 1999, a economia da Argentina encolheu 3,3%.[3] O PIB continuou diminuindo: 0,8% em 2000, 4,4% em 2001 e 10,9% em 2002.[3] Um ano antes, no Brasil, o baixo nível de água nas hidrelétricas, combinado com a falta de investimentos de longo prazo em segurança energética, forçava o país a fazer um programa de racionamento de energia, o que afetou negativamente a economia nacional.[4]

Ver tambémEditar

Referências

  1. «La Crisis Politica y Economica in El Cono Sur de America | American Diplomacy Est 1996». americandiplomacy.web.unc.edu. Setembro de 2002. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  2. «Folha de S.Paulo - A desvalorização do real foi uma decisão solitária - 19/12/2002». www1.folha.uol.com.br. 19 de dezembro de 2002. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  3. a b «GDP growth (annual %) - Argentina | Data». data.worldbank.org. Consultado em 6 de outubro de 2020 
  4. «Apagão de 2001 deu prejuízo de R$ 54,2 bilhões». Gazeta do Povo. 12 de novembro de 2009. Consultado em 6 de outubro de 2020 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.