Abrir menu principal
Cruz de São Jorge 3ª classe.

A Cruz de São Jorge (em russo: Георгиевский крест) é uma condecoração militar da Federação Russa. Foi inicialmente instituída pela Rússia Imperial, como parte da Ordem Militar de São Jorge entre 1807 e 1913. A Cruz de São Jorge foi reintegrada em 1992 ao sistema russo de premiações militares.

HistóriaEditar

A condecoração foi estabelecida pelo decreto de fevereiro de 1807 do Imperador Alexandre I, e concebida como uma recompensa pela "destemida coragem" dos escalões militares inferiores (soldados, marinheiros e suboficiais). [1] O artigo quatro do decreto ordenou que a medalha fosse pendurada na fita da Ordem de São Jorge. Essa condecoração possui apenas uma classe, sem restrição quanto ao número de medalhas por pessoa.

O primeiro soldado a ser agraciado com a Cruz de São Jorge foi um oficial não-comissionado de cavalaria chamado Iegor Ivanovich Mitrokhin. Ele foi condecorado por distinção na batalha contra os franceses em Friedland, em 2 de junho de 1807.

A numeração das cruzes no reverso começou em janeiro de 1809, e um registro dos agraciados foi iniciado no mesmo ano. Por essa altura, aproximadamente 10.000 cruzes já haviam sido concedidas. No começo da guerra de 1812, 16.833 cruzes haviam sido produzidas pela forja imperial. As estatísticas dos primeiros anos estão detalhadas abaixo:

  • 1812 - 6.783 concedidos
  • 1813 - 8.611 premiados
  • 1814 - 9.345 premiados
  • 1815 - 3.983 concedidos
  • 1816 - 2.682 concedidos
  • 1817 - 659 concedidos
  • 1818 - 328 concedidos
  • 1819 - 189 concedidos

Um decreto real de 1856 dividiu a condecoração em quatro classes. Inicialmente, uma pessoa recebia a quarta classe e seria subsequentemente promovida a classes mais altas por novos atos de bravura. Aquele que recebia as quatro classes era então chamado de Cavaleiro de São Jorge. A primeira e segunda classes eram feitas de ouro, a terceira e a quarta eram de prata. A numeração no verso foi reiniciada, para cada classe da decoração.[2]

Um decreto real de 1913 oficializou o nome "Cruz de São Jorge" e a numeração começou de novo. Em 1915, devido à escassez da guerra, as medalhas de primeira e segunda classe passaram a ser feitas de ouro de baixo grau (60% de ouro, 39,5% de prata, 0,5% de cobre), enquanto as decorações de terceira e quarta classe continuaram produzidas na mesma prata de 99%. Houve 26.950 cruzes de primeira classe (nº 5531 a nº 32.840) e 52.900 cruzes de segunda classe (nº 65.030 a nº 12.131) produzidos em ouro de baixa qualidade. [3] Número aproximado de Cruzes de São Jorge concedidas de 1914 a 1917: [4]

  • 1ª classe - 33.000
  • 2ª classe - 65.000
  • 3ª classe - 289.000
  • 4ª classe - 1,2 milhões
 
Soldados da Força Expedicionária Russa na França, em meados de 1916, dois deles portando uma Cruz de São Jorge

Em 1917, o Governo Provisório mudou o estatuto da cruz, permitindo sua concessão a oficiais subalternos. Quando concedida nesses casos, um ramo de louro em prata era afixado à fita. A cruz de São Jorge foi abolida após a Revolução Russa de 1917, e a Ordem da Glória nominalmente a substituiu durante a era soviética.

ReestabelecimentoEditar

 
O presidente russo Dmitry Medvedev, com um sargento recém-decorado com a cruz de São Jorge 4ª Classe, por distinção em batalha na guerra da Ossétia do Sul em 2008.

Após a dissolução da União Soviética em 1991 , a Cruz de São Jorge foi restabelecida pela Decisão do Soviete Supremo da Federação Russa nº 2557-I, de 20 de março de 1992. Seus critérios de atribuição foram alterados duas vezes, primeiro em 8 de agosto de 2000[5] e mais recentemente em 7 de setembro de 2010.[6]

A Cruz de São Jorge é concedida a soldados, marinheiros, sargentos, oficiais de infantaria, oficiais de segurança e oficiais subalternos, por feitos e distinções em batalha em defesa da pátria, assim como por exemplos reconhecidos de coragem, dedicação e habilidade militar em batalha no território de outros estados, na manutenção ou restaurar da paz e da segurança internacionais. É concedida seqüencialmente em quatro classes, da quarta à primeira, para atos subseqüentes de coragem.

A primeira cerimônia de premiação pós-reintegração ocorreu em agosto de 2008, para soldados que demonstraram coragem e heroísmo durante o conflito armado na Ossétia do Sul. O presidente russo Dmitry Medvedev condecorou onze soldados e sargentos com a Cruz de São Jorge 4ª classe, por coragem e heroísmo demonstrados no desempenho de funções militares.[7] Outros 263 soldados foram condecorados com a Cruz de São Jorge por sua atuação na operação da Geórgia. [8]

Descrição do medalhãoEditar

A Cruz de São Jorge moderna é praticamente idêntica à variante imperial. É uma cruz pátea de 34 mm de largura, usada no lado esquerdo do peito com outras medalhas, e seu anverso tem um medalhão central com a imagem de frente de São Jorge a cavalo matando o dragão. O reverso do medalhão ostenta o monograma cirílico da Ordem de São Jorge "SG" (russo: «СГ»). O reverso dos dois braços laterais da cruz mostram o número de série do medalhão, com o braço esquerdo tendo uma letra em relevo "N" na extremidade esquerda. A classe da cruz é gravada no verso do antebraço, "1-я степ" para a primeira classe, "2-я теп" para a segunda classe, "3-я теп" para a terceira classe e "4 -я степ "para a quarta classe.

Quando a cruz não é portada, uma barra de fita é usada no uniforme. A barra de fita tem 8mm de altura por 24mm de largura e possui um algarismo romano dourado de 7mm de altura, denotando a classe do prêmio.

ReferênciasEditar

  1. http://sites.google.com/site/georgievskiikrest/home/georgievskii-krest-5
  2. http://sites.google.com/site/georgievskiikrest/home/georgievskii-krest-20
  3. http://george-orden.narod.ru/statut1913s3.html
  4. http://dragons-nest.ru/def/nagrad.php
  5. «Archived copy». Consultado em 23 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2012 
  6. http://www.rg.ru/2010/09/15/nagrady-dok.html
  7. «Archived copy». Consultado em 23 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 20 de abril de 2014 
  8. «Archived copy». Consultado em 23 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 21 de junho de 2009