Abrir menu principal

A cultura Korakou é amplamente distribuída em todo o Peloponeso, Ática, Eubeia, Beócia, Fócida, Lócrida, e ilha de Lêucade e desenvolveu-se entre 26502200/2150 a.C..[1] A cerâmica típica da cultura Korakou é encontrada na Tessália, em Creta e nas Cíclades.[1] Muitos assentamentos desta cultura, especialmente na Argólida, foram destruídos e incendiados antes de serem abandonadas ou retomadas pelos portadores da cultura Tirinto; Eutresis na Beócia e Colona em Egina são ditas como áreas de transição pacífica para a cultura Tirinto.[1]

Muitos sítios da cultura Korakou continuaram a ser ocupados durante o período seguinte, no entanto, umas grandes quantidades, possivelmente aldeias de pescadores ou fazendas isoladas, foram progressivamente abandonadas, sendo repovoadas apenas durante o período da civilização micênica.[1] O tamanho dos sítios levou a estudiosos acreditarem que havia certa hierarquia social.[1]

As aldeias eram compostas por edifícios retangulares com telhados planificados e alguns fornos fixos.[1] Nas aldeias havia edifícios públicos e, especialmente os sítios costeiros, possuíam fortificações.[1] Estes edifícios eram retangulares e de dois andares, caracterizados por uma série linear de quartos quadrados, salas retangulares no centro e corredores laterais que serviam como escadas.[1] Estes edifícios eram cobertos por telhas geralmente de terracota, no entanto, também foi evidenciada a mistura de xisto com terracota.[1]

Dentro da cultura Korakou, houve grande divergência quanto as práticas funerárias, não havendo um estilo padrão.[1] Entre os principais estão:

  • Sepultamentos em covas unitárias dentro do assentamento (Ayios Stephanos, Lacônia);[1]
  • Cemitérios extramuros de cistas contendo sepultamentos múltiplos (Ayios Kosmas e cemitério Tsepi em Maratona, Ática);[1]
  • Enterros individuais em pitos, cistas ou poços, todos levantados por plataformas circulares que apoiaram montes cobertos com uma camada de pedra.[1] Todos estão localizados fora do assentamento. Há evidências de cremações em alguns túmulos.[1] Os pitos e cistas construídos de alvenaria eram os túmulos primários e possuíam grande quantidade de bens de túmulos.[1] As cistas de pedra eram secundárias (Lêucade);[1]
  • Enterros múltiplos em pequenas câmaras de rochas com abertura vertical (Corinto, Coríntia);[1]
  • Enterros múltiplos em tumbas escavadas em câmaras na rocha constituindo um cemitério extramuros (Zygouries, Coríntia);[1]
  • Uma série de cemitérios extramuros compostos por tumbas escavadas em câmaras nas rochas utilizadas para inumações múltiplas.[1] As câmaras de pequenas tumbas são circulares ou trapezoidais com telhados inclinados para baixo.[1] As câmaras são abordadas por eixos verticais curtos ou inclinações abruptas.[1] A entrada das câmaras são seladas por lajes de pedra.[1] Os ossos dos mortos possuem cortes, possivelmente provocados durante o corte dos tendões, para facilitar a flexão do cadáver após o rigor mortis (Manika, Eubeia).[1]

A cerâmica korakou é dividida em três classes distintas.[1] Pires, tigelas com jantes em forma de T, grandes mergulhadores com alças aneladas, colheres pequenas, molheira, jarros de bico e ascos são alguns dos produtos manufaturados e se dividem em duas classes.[1] A mais comum é a conhecida Urfirnis do Heládico Inferior (tal alcunha é utilizada para diferenciar o Urfirnis do neolítico).[1] Esta cerâmica é normalmente revestida com uma pintura variando do preto, passando por marrom a vermelho e era frequentemente molhada em uma variedade dessas cores mais escuras.[1] Grandes bacias, frascos de água e numerosas formas menores foram parcialmente pintadas ou tem uma banda simples na borda.[1] Raramente, os vasos são decorados com verdadeiros padrões Urfirnis escuros sobre um fundo de argila clara.[1] A segunda classe é a chamada Cerâmica Amarelo-Mosqueada ou Cerâmica Marfim, que é semelhante a Cerâmica Urfirnis, no entanto, é revestida com um pedaço de cor clara, ao invés de um escuro e geralmente é polido.[1] As cores desta cerâmica variam muito, e incluem amarelo, rosa e cinza-azulado.[1] A maioria das formas fechadas, incluindo hydrias ou jarros de água, é feita em uma superfície pálida, tecidos grosseiramente e normalmente são deixados sem pintura.[1] A terceira classe é composta por rudes cerâmicas de cozinha de superfície escura e não polidas.[1] É composta principalmente por bacias profundas com jantes inclinadas que muitas vezes apresentam uma decoração de plástico e impressões na forma de bandas ou terminais logo abaixo da borda.[1]

Em argila, pitos e fornos de fundição são muitas vezes decoradas com desenhos feitos por materiais cilíndricos.[1] Figuras de animais feitas de barro são bastante comuns (vacas, touros, ovelhas, etc) e, em alguns casos apresentam intencionalmente a barriga cortada, provavelmente indicativo da prática de açougue e possivelmente até mesmo do processo de sacrifício.[1] Diversos selos foram identificados nos sítios da cultura e eram feitos de pedra, terracota e, um único exemplar, de chumbo.[1] Fusos espirais e pesos de tear são comuns. Algumas "âncoras" de terracota aparecem nesse período.[1]

A obsidiana é a matéria-prima principal para confecção de produtos de pedra.[1] Vasos de pedra e estatuetas semelhantes a das Cíclades foram identificados na Ática e Eubeia.[1] Pilões de pedra e moinhos são comuns, assim como contas e pingentes de vários tipos.[1] Machados de pedra (chamados celtas) também são comuns.[1] De osso, pequenas ferramentas de vários tipos são bastante comuns: alfinetes, furadores, agulhas, anzóis, e tubos pequenos para conter pigmentos.[1] Punhais e pinças de cobre/bronze são comuns, este último particularmente nas sepulturas.[1] Há certa quantidade de jóias de ouro em túmulos. Molheiras de ouro e taças de prata são conhecidas da Eubeia.[1]

As estatuetas mais comuns são três animais tridimensionais em terracota, figuras de ovelhas e gado (só a cabeça, pescoço, e ocasionalmente os ombros).[1] A existência de figuras mais complexas é sugerida por fragmentos de bois de Tsoungiza, o que também é a primeira evidência, no continente grego, para o uso de animais de tração ou arado.[1] Figuras humanas são feitas em terracota e mármore.[1] A representação pictórica na cerâmica geralmente toma forma de insetos (especialmente aranhas).[1] Também foi identificada uma cena de um quadrúpede amamentando seus filhotes.[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax «THE KORAKOU CULTURE OF EARLY HELLADIC IIA (ca. 2650-2200/2150 B.C.)». Consultado em 30 de julho de 2011. Arquivado do original em 9 de agosto de 2011