Abrir menu principal
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde maio de 2017). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde julho de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Cyworld.jpg

Cyworld é um site sul-coreano de relacionamento virtual, mantido pela SK Communications, uma empresa pertencente à South Korea Telecom, a maior operadora de telefonia móvel da Coreia do Sul.

Origens, história, impacto e sucessoEditar

EtimologiaEditar

A palavra "Cyworl" pode significar tanto "mundo cibernético" (sendo uma corruptela das palavras inglesas "cyber" e "world") como também "mundo do relacionamento" (sendo "cy" uma forma de representar a palavra coreana "relação" em alfabeto latino). De fato, o nome do site é propositalmente um jogo de palavras.

Impacto na sociedade sul-coreanaEditar

O site australiano Theage.com.au divulgou que 90% dos sul-coreanos entre 20 e 30 anos é cadastrado no Cyworld. O site Gigaom.com diz que 25% de toda a população da Coreia do Sul tem um minihompy no mesmo. Confirmando o sucesso dessa rede sul-coreana, o site Thestandard.com afirmou que, durante o mês de setembro de 2005, o Cyworld recebeu cerca de 20 milhões de visitantes diferentes.

O Cyworld causou um grande impacto na cultura da Internet sul-coreana. Inúmeros socialites e celebridades desse país ficaram conhecidos por possuir uma conta no Cyworld, onde detalhes dos seus próximos trabalhos e das suas turnês são publicados, como é o caso do ícone sul-coreano Duk-In Joo, poeta e escritor de um best-seller nesse país. Tornou-se comum na Coreia do Sul, entre jovens recém-apresentados, trocar seus endereços de minihompy ao invés dos números de telefone, como forma de manter contato.

O mundo corporativo também passou a usar o Cyworld como uma ferramenta comercial. Há casos de companhias criando minihompies para divulgar o lançamento de seus produtos.

Pelo lado negativo, também já houve muitos crimes virtuais cometidos usando-se os dados pessoais dos usuários do site, disponibilizados pelos próprios. Em cada minihompy, o usuário pode divulgar informações pessoais como o número de seu telefone celular, seu endereço de e-mail e até o endereço de sua residência, o que possibilita a sua utilização por criminosos.

Decorrências do sucessoEditar

Devido ao seu grande sucesso na Coreia do Sul, em agosto de 2006 foi lançada a versão americana do site. Enquanto manteve muitas características do site sul-coreano original, a versão dos EUA foi redesenhada, para assim oferecer mais ferramentas e se adaptar ao público norte-americano.

Também em 2006, o Cyworld recebeu o Prêmio Wharton Infosys Business Transformation, por seu largo alcance social em interação interpessoal.

O Cyworld, além dos EUA, opera também na China, Japão, Taiwan e Vietnã.

Em 2007, lançou uma comunidade virtual mundial para troca de arquivos fotográficos, chamada The Photo Diary.

Uma adaptação sueca do site, Bilddagboken.se, já tem cerca de 6 milhões de usuários cadastrados.[quando?]

ConteúdoEditar

Diferentemente do Facebook, no Cyworld os usuários podem decorar seu "perfil" virtual da maneira desejada. No site, o perfil virtual de um usuário é conhecido como "minihompy" (que, em coreano, significa "mini-página" ou "mini-homepage"). Cada minihompy pode compreender uma galeria de fotos, um fórum virtual, um livro de visitas, a lista de amigos e um pequeno blog. Como na maioria dos sites de relacionamento, os usuários do Cyworld podem adicionar amigos ao seu minihompy para assim formar uma rede social virtual.

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

Ligações externasEditar