Abrir menu principal

Wikipédia β

D. B. Cooper é o epíteto popularmente usado para se referir a um homem não identificado que sequestrou um Boeing 727 da Northwest Airlines no espaço aéreo entre Portland, Oregon, e Seattle, Washington, no dia 24 de novembro de 1971 e extorquiu uma quantia de duzentos mil dólares em resgate, pulando de paraquedas para um destino incerto. Apesar de uma grande perseguição e uma investigação ainda ativa pelo FBI, o culpado nunca foi localizado ou positivamente identificado. O caso permanece como o único sequestro aéreo sem solução na história da aviação dos Estados Unidos.[1][2][3]

D. B. Cooper
Retrato feito a partir dos depoimentos de testemunhas
Nome Desconhecido
Crime (s) Sequestro de um Boeing 727 em 24 de novembro de 1971
Situação Desconhecida

O suspeito comprou uma passagem usando o pseudônimo Dan Cooper, porém devido a uma falha de comunicação da mídia ele acabou ficando conhecido na cultura popular como D. B. Cooper. Centenas de pistas foram investigadas durante os anos, porém nenhuma evidência conclusiva sobre a identidade de Cooper e sua localização jamais foi encontrada. Várias teorias das mais variadas plausibilidades foram propostas por especialistas, jornalistas e entusiastas amadores.[1][4] A descoberta em 1980 de um pequeno esconderijo das notas do resgate renovou o interesse, mas acabou apenas aumentando o mistério, com a grande maioria das notas nunca tendo sido recuperadas.

Apesar dos investigadores do FBI insistirem desde o começo que Cooper provavelmente não sobreviveu a seu arriscado salto,[5] a agência mantém o caso ainda em aberto – que já possui mais de sessenta volumes[6] – e continua a provocar novas ideias criativas e novas pistas. "Talvez um hidrólogo possa usar a última tecnologia para rastrear os U$ 5.800 em dinheiro do resgate encontrados em 1980 até onde Cooper aterrissou rio acima", sugeriu o agente especial Larry Carr, líder das investigações desde 2006, "Ou talvez alguém apenas se lembre daquele tio estranho".[5]

Índice

SequestroEditar

O incidente começou no meio da tarde na véspera de Ação de Graças, 24 de novembro de 1971, no Aeroporto Internacional de Portland em Portland, Oregon. Um homem carregando uma maleta preta aproximou-se do guichê de voo da Northwest Airlines. Ele se identificou como "Dan Cooper" e comprou uma passagem de ida no Voo 305, uma viagem de trinta minutos até Seattle, Washington.[7]

Cooper entrou na aeronave, um Boeing 727-100 (registro N467US) e sentou-se na poltrona 18C[1] (18E em um relato e 15D em outro)[8] no final da cabine de passageiros. Ele acendeu um cigarro e pediu um uísque e refrigerante. Testemunhas abordo lembram de um homem na casa dos quarenta anos, entre 1,78 m e 1,83 m de altura. Ele usava uma leve capa de chuva preta, um terno escuro, mocassins, uma camisa de colarinho branco bem passada, uma gravata preta e um alfinete de gravata de madrepérola.[9]

 
Cartaz de procurado de Cooper feito pelo FBI.

O Voo 305 decolou no horário às 14h30min, com aproximadamente um terço lotado. Cooper passou um bilhete para Florence Schaffner, a comissária de bordo mais perto dele em um assento preso à porta traseira.[1] Schaffner colocou o bilhete na bolsa sem olhá-lo achando que continha o telefone de um solitário homem de negócios.[10] Cooper inclinou-se para ela e sussurrou, "Srta., é melhor você olhar aquele bilhete. Eu tenho uma bomba".[11]

O bilhete foi escrito com uma caneta de feltro, de forma clara e com todas as letras maiúsculas. Lia-se, aproximadamente, "Tenho uma bomba na minha maleta. Vou usá-la se necessário. Quero que você sente-se ao meu lado. Você está sendo sequestrada".[12] Schaffner atendeu o pedido e pediu para ver a bomba. Cooper abriu a maleta o suficiente para que ela pudesse ver oito cilindros vermelhos[13] ("quatro em cima de quatro") presos em fios com isolamento vermelho, junto com uma grande bateria cilíndrica.[14] Depois de fechar a maleta, ele exigiu duzentos mil em "moeda americana negociável", quatro paraquedas (dois primários e dois de reserva), e um caminhão de combústivel esperando em Seattle para reabastecer a aeronave.[15] Schaffner transmitiu as instruções de Cooper para a cabine de comando; quando ela voltou, ele estava usando óculos escuros.[16]

William Scott, o piloto, contatou o controle de tráfego aéreo no Aeroporto Internacional de Seattle-Tacoma, que por sua vez informou as autoridades locais e federais. Os outros 36 passageiros foram informados que sua chegada a Seattle seria atrasada por causa de uma "pequena dificuldade mecânica".[17] Donald Nyrop, presidente da Northwest, autorizou o pagamento do resgate e ordenou que todos os funcionários cooperassem com o sequestrador.[18] A aeronave voou em círculos sobre o Puget Sound por aproximadamente duas horas para dar tempo a polícia de Seattle e o FBI reunir o dinheiro e os paraquedas de Cooper, além de mobilizar pessoal de emergência.[1]

Schaffner lembra que Cooper parecia conhecer bem o terreno local; em certo momento ele comentou, "Parece Tacoma lá em baixo", no momento que o avião sobrevoava a cidade. Ele também mencionou corretamente que a Base Aérea McChord ficava a vinte minutos de carro do aeroporto de Seattle. Schaffner o descreveu como calmo, educado e bem letrado, inconsistente com todos os esteriótipos associados com sequestradores aéreos na época (criminosos enfurecidos e duros, ou dissidentes políticos "leve-me a Cuba"). Tina Mucklow, outra comissária de bordo, concordou. "Ele não estava nervoso", contou aos investigadores, "Ele parecia bastante agradável. Nunca foi cruel ou mau. Ele ficou pensativo e calmo o tempo todo".[19] Cooper pediu mais um uísque e água, pagou pela bebida (insistindo para Schaffner ficar com o troco)[1] e se ofereceu para pedir refeições a tripulação durante a parada em Seattle.[20]

Agentes do FBI reuniram o dinheiro de vários bancos da área de Seattle – dez mil notas de vinte dólares, muitas das quais com o número de série começando com a letra "L" indicando impressão pelo Banco Central Federal de São Francisco, a maioria carregando a designação "Série 1969-C"[19] – e tiraram fotografias em microfilme de cada nota.[21] Cooper recusou os paraquedas militares inicialmente oferecidos pelas autoridades, exigindo paraquedas civis com cordas de abertura operadas manualmente. A polícia de Seattle os conseguiu em uma escola de paraquedismo local.[19]

Liberação dos passageirosEditar

Cooper foi informado às 17h24min que suas exigências haviam sido cumpridas, e às 17h39min a aeronave pousou no Aeroporto de Seattle-Tacoma.[22] Ele instruiu Scott a taxiar até uma área isolada e bem iluminada e apagar todas as luzes da cabine para impedir a ação de atiradores de elite da polícia. Al Lee, gerente de operações de Northwest em Seattle, aproximou-se da aeronave em roupas civis (para evitar que Cooper confundisse o uniforme da companhia com o de oficial policial) e entregou a Mucklow pelas escadas traseiras uma mochila com o dinheiro e os quatro paraquedas.[23] Assim que a entrega foi finalizada, Cooper permitiu que todos os passageiros, Schaffner e a comissária sênior Alice Hancock saíssem da aeronave.[22]

Cooper delineou seu plano de voo para a equipe da cabine durante o reabastecimento: um curso sudeste em direção a Cidade do México na velocidade mínima possível sem estolar a aeronave (aproximadamente 100 nós [190 km/h]) em uma altitude de três mil metros. Ele ainda especificou que o trem de pouso permanecesse baixado na posição de decolagem/aterrissagem, os flaps fossem abaixados em 15° e que a cabine de passageiros permanecesse despressurizada.[24] O copiloto William Rataczak informou Cooper que o alcance do avião ficava limitado a 1 600 km na configuração de voo especificada, significando que seria necessário um segundo reabastecimento antes de entrarem no México. Cooper e a tripulação discutiram opções e concordaram em Reno, Nevada, como parada de reabastecimento.[22] Finalmente, Cooper disse para a aeronave decolar com a porta traseira abaixada e sua escada estendida. O escritório da Northwest se opôs, afirmando que não era seguro decolar com a escada aberta. Cooper afirmou que era sim seguro, mas que não discutiria o assunto; ele mesmo a abaixaria uma vez no ar.[25]

Um oficial da FAA pediu para se encontrar pessoalmente com Cooper abordo da aeronave, mas ele recusou.[24] O processo de reabastecimento foi adiado por causa de uma obstrução de vapor na bomba do caminhão tanque,[26] deixando Cooper inquieto.[1] Ele permitiu que um segundo caminhão continuasse o processo – e um terceiro depois que o segundo ficou vazio.[22]

De volta ao arEditar

 
A escada traseira de um Boeing 727 aberta.

Às 19h40min, aproximadamente, o 727 decolou com apenas Cooper, Scott, Mucklow, Rataczak e o engenheiro de voo H. E. Anderson abordo. Dois caças Convair F-106 Delta Dart da Base Aérea McChord seguiram a aeronave, um acima e o outro abaixo, fora da visão de Cooper.[27] Um Lockheed T-33, retirado de uma missão da Guarda Aérea Nacional, também seguiu o 727 até ficar com pouco combustível e voltar para a divisa do Oregon com a Califórnia.[28]

Após a decolagem, Cooper mandou Mucklow se juntar ao resto da tripulação na cabine e ficarem lá com a porta fechada. Enquanto se dirigia até lá, ela observou Cooper amarrando alguma coisa em sua cintura. Por volta dàs 20h uma luz acendeu na cabine indicando que o mecanismo da escada traseira havia sido acionado. A tripulação perguntou a Cooper através do intercomunicador se ele precisava de ajuda, e ele respondeu simplesmente dizendo "Não!".[29]

Às 20h13min, aproximadamente, a seção da cauda do avião sofreu um súbito movimento ascendente, grande o bastante para precisar de correção por parte dos pilotos até o nivelarem novamente.[10] Scott e Rataczak pousaram o 727, ainda com a escada traseira abaixada, no Aeroporto de Reno por volta dàs 22h15min. Agentes dos FBI, policiais estaduais, agentes do xerife e a polícia de Reno cercaram a aeronave, já que ainda não havia sido confirmado que Cooper não estava mais abordo; uma busca armada logo confirmou que ele desaparecera.[29][30]

InvestigaçãoEditar

Os agentes do FBI encontraram 66 impressões digitais não identificadas abordo da aeronave,[3] a gravata preta e o alfinete de gravata de madrepérola de Cooper e dois dos quatro paraquedas,[31] um dos quais havia sido aberto e dois cordames cortados de seu dossel.[32] Foram entrevistadas testemunhas em Portland, Seattle e Reno, e todos os indivíduos que interagiram pessoalmente com Cooper. Um série de retratos falados foram desenvolvidos e compostos a partir dos testemunhos.[33]

A polícia local e agentes do FBI imediatamente começaram a interrogar possíveis suspeitos. Um dos primeiros foi um homem de Oregon chamado D. B. Cooper que tinha uma pequena ficha criminal, contatado pela polícia de Portland no caso do sequestrador ter usado seu nome verdadeiro ou o mesmo pseudônimo usado em um crime anterior. Seu envolvimento foi rapidamente descartado; porém um repórter inexperiente (Clyde Jabin da United Press International na maioria dos relatos,[34] enquanto outros citam Joe Frazier da Associated Press)[35] na pressa de cumprir um prazo, confundiu o nome do suspeito eliminado com o pseudônimo usado pelo criminoso. O erro foi pego e repetido por várias outras fontes e o apelido "D. B. Cooper" se alojou na memória coletiva popular.[10]

Referências

  1. a b c d e f g Gray, Geoffrey (21 de outubro de 2007). «Unmasking D.B. Cooper». New York Magazine. Consultado em 30 de abril de 2014 
  2. Himmelsbach & Worcester 1986, p. 135
  3. a b Pasternak, Douglas (214 de julho de 2000). «Skyjacker at large». U.S. News & World Report. 29 (4): 72–73. ISSN 0041-5537  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. «FBI Makes New Bid to Find 1971 Skyjacker». The San Francisco Chronicle. 2 de janeiro de 2008. Consultado em 30 de abril de 2014. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2008 
  5. a b «D.B. Cooper Redux: Help Us Solve the Enduring Mystery». Federal Bureau of Investigation. 31 de dezembro de 2007. Consultado em 30 de abril de 2014 
  6. Seven, Richard (17 de novembro de 1996). «D.B. Cooper -- Perfect Crime Or Perfect Folly?». The Seattle Times. Consultado em 30 de abril de 2014 
  7. Olson, James S. (1999). Historical Dictionary of the 1970s. Westport: Greenwood Press. p. 107. ISBN 0-313-30543-9 
  8. Gunther 1985, p. 32
  9. Tizon, Tomas Alex (4 de setembro de 2005). «D.B. Cooper -- the search for skyjacker missing since 1971». Consultado em 1 de maio de 2014 
  10. a b c Bragg, Lynn E. (2005. pp. 2, 4). Myths and Mysteries of Washington. Guilford: Globe Pequot. ISBN 0-7627-3427-2  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  11. Steven, Richard (24 de novembro de 1996). «When D.B. Cooper Dropped From Sky: Where did the daring, mysterious skyjacker go? Twenty-five years later, the search is still on for even a trace». The Philadelphia Inquirer: p. A20 
  12. Burkeman, Oliver (1 de dezembro de 2007). «Heads in the clouds». The Guardian. Consultado em 1 de maio de 2014 
  13. Himmelsbach & Worcester 1986, pp. 40–41
  14. «High-jacking; N.A. Flight 305; November 24/25, 1971» (PDF). Federal Bureau of Investigation. Consultado em 1 de maio de 2014 
  15. Himmelsbach & Worcester 1986, p. 18
  16. Krajicek, David. «DB Cooper: The Legendary Daredevil – The Crime». Crime Library. Consultado em 1 de maio de 2014 
  17. Himmelsbach & Worcester 1986, p. 20
  18. Himmelsbach & Worcester 1986, p. 19
  19. a b c Krajicek, David. «DB Cooper: The Legendary Daredevil – Meeting the Demands». Crime Library. Consultado em 2 de maio de 2014 
  20. Himmelsbach & Worcester 1986, p. 22
  21. Himmelsbach & Worcester 1986, p. 25
  22. a b c d Krajicek, David. «DB Cooper: The Legendary Daredevil – 'Everything Is Ready'». Crime Library. Consultado em 4 de maio de 2014 
  23. Himmelsbach & Worcester 1986, p. 28
  24. a b Rothenberg, David; Ulvaeus, Marta (1999. pp. 4–5). The New Earth Reader: The Best of Terra Nova. Cambridge: MIT Press. ISBN ISBN 0-262-18195-9 Verifique |isbn= (ajuda)  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  25. Himmelsbach & Worcester 1986, pp. 33–34
  26. Himmelsbach & Worcester 1986, p. 32
  27. Himmelsbach & Worcester 1986, p. 36
  28. Gunther 1985, p. 53
  29. a b Krajicek, David. «DB Cooper: The Legendary Daredevil – The Jump». Crime Library. Consultado em 17 de maio de 2014 
  30. Himmelsbach & Worcester 1986, p. 48
  31. Gunther 1985, p. 50
  32. Cowan, James (3 de janeiro de 2008). «FBI reheats cold case». National Post. Consultado em 17 de maio de 2014. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2008 
  33. «D B Cooper Part 1 of 7». Federal Bureau of Investigation. Consultado em 28 de setembro de 2014 
  34. Guzman, Monica (27 de novembro de 2007). «Update: Everyone wants a piece of the D. B. Cooper legend». Seattle Post-Intelligencer. Consultado em 8 de abril de 2015 
  35. Gunther 1985, p. 55

BibliografiaEditar

  • Gunther, Max (1985). D. B. Cooper: What Really Happened. Chicago: Contemporary Books. ISBN 0-8092-5180-9 
  • Himmelsbach, Ralph P.; Worcester, Thomas K. (1986). Norjak: The Investigation of D. B. Cooper. West Linn: Norjak Project. ISBN 978-0-9617415-0-1 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre D. B. Cooper