Declaração de independência da Finlândia

Declaração de independência da Finlândia
Suomen kansalle.jpg
Data 6 de dezembro de 1917
País Finlândia
Tipo de documento declaração de independência, evento histórico

A declaração de independência da Finlândia (finlandês: Suomen itsenäistyminen) foi adotada pelo parlamento da Finlândia em 6 de dezembro de 1917. Através dela, a Finlândia deixou de ser um grão-ducado ligado ao Império Russo, e tornou-se um estado-nação soberano e independente, a principio, porém por um curto tempo, uma monarquia e, posteriormente, uma república. Desde então, o dia 6 de dezembro é feriado nacional na Finlândia.[1]

Documento pelo qual a União Soviética, sob a liderança de Lênin, reconhece a independência da Finlândia.

Texto da declaraçãoEditar

Ao povo finlandês:

O Parlamento finlandês tem, no 15º dia do passado mês de novembro, em apoio à secção 38 da Constituição, declarada detentora do Supremo da Autoridade estatal, bem como a criação de um Governo para o país, que assumiu na sua principal tarefa a realização e salvaguarda da independência da Finlândia enquanto Estado. O povo da Finlândia tomou, por este passo, o seu destino nas suas próprias mãos: um passo justificado e exigido pelas atuais condições. O povo finlandês sente profundamente que não pode cumprir o seu dever nacional e as suas obrigações humanas universais sem uma soberania completa. O desejo centenário de liberdade aguarda a realização agora; O povo da Finlândia tem de avançar como uma nação independente entre as outras nações do mundo.

Para atingir este objetivo, é necessário, sobretudo, algumas medidas por parte do Parlamento. A atual forma de governo da Finlândia, atualmente incompatível com as condições, exige uma renovação completa e, por conseguinte, o Governo apresentou agora uma proposta de nova Constituição ao Conselho do Parlamento, uma proposta que se baseia no princípio de que a Finlândia deve ser uma república soberana. Tendo em conta que, as principais características da nova política têm de ser postas em vigor imediatamente, o Governo entregou ao mesmo tempo uma carta de atos nesta matéria, que significa satisfazer as necessidades de renovação mais urgentes antes da criação da nova Constituição.

O mesmo objetivo também exige medidas por parte do Governo. O Governo vai aproximar-se das potências estrangeiras para procurar um reconhecimento internacional da independência do nosso país como Estado. Neste momento, isto é particularmente mais necessário, quando a grave situação provocada pelo completo isolamento, fome e desemprego do país obriga o Governo a estabelecer relações reais com as potências estrangeiras, que prontas a ajudar a satisfazer as necessidades de vida e a importar os bens essenciais para a indústria, são o nosso único resgate da fome iminente e da estagnação industrial.

O povo russo, após subverter o Regime czarista, manifestou, em várias ocasiões, a sua intenção de favorecer o povo finlandês do direito de determinar o seu próprio destino, que se baseia no seu desenvolvimento cultural secular. E, amplamente, sobre todos os horrores da guerra é ouvida uma voz, que um dos objetivos da atual guerra deve ser, que nenhuma nação será forçada contra a sua vontade de depender de outra (nação). O povo finlandês acredita que o povo russo livre e a sua Assembleia Nacional Constituinte não querem impedir a aspiração da Finlândia de entrar na multiplicidade das nações livres e independentes. Ao mesmo tempo, o povo finlandês atreve-se a esperar que as outras nações do mundo reconheçam, que, com a sua plena independência e liberdade, o povo da Finlândia possa dar o seu melhor no cumprimento dos objetivos que lhes darão uma posição independente entre os povos do mundo civilizado.

Ao mesmo tempo que o Governo quis que todos os cidadãos finlandeses soubessem estas palavras, o Governo recorre aos cidadãos, bem como às autoridades privadas e públicas, apelando a todos em seu próprio nome para que sigam a ordem (lei e) cumprindo o seu dever patriótico, para forçar todas as suas forças para alcançar o objetivo comum da nação neste momento. , que tem tanta importância e determinação, que nunca houve antes na vida do povo finlandês. Em Helsínquia, 4 de dezembro de 1917.

O Senado Finlandês:

P. E. Svinhufvud. E. N. Setälä.
Kyösti Kallio. Jalmar Castrén.
Onni Talas. Arthur Castrén.
Heikki Renvall. Juhani Arajärvi.
Alexander Frey. E. Y. Pehkonen.
O. W. Louhivuori. A. E. Rautavaara (Juiz-Relator)

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

ReferênciasEditar