Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Dentição Humana
Dente maxilar
Dente mandibular
Dente permanente
Dente permanente
Dentição permanente


Dente permanente é a denominação dada ao dente que sucede a dentição decídua (ou dentes de leite).[1] Um ser humano adulto possui normalmente 32 dentes: 16 na mandíbula (inferior) e 16 na maxila (superior).

FunçãoEditar

  • Os dentes incisivos (oito) têm por função principal a de cortar alimentos.
  • Os caninos (quatro), por serem pontiagudos, tem a função de dilacerar e perfurar os alimentos.
  • Os dentes pré-molares (oito) e os molares (doze), tem por função principal a de esmagar e triturar os alimentos para a posterior deglutição.

FormaçãoEditar

Primeiros dentesEditar

Os primeiros dentes da dentição permanente a emergir na boca são os primeiros molares.[1] Eles fazem a sua aparição imediatamente atrás dos segundos molares decíduos, na idade dos 6 anos. Como consequência, são frequentemente chamados de os molares dos 6 anos. São muito maiores que qualquer dente decíduo e não podem fazer a sua entrada antes que o desenvolvimento da mandíbula atinja um estágio que permita suficiente espaço. É um dente que escapa por vezes a ser notado porque não é precedido pela queda de nenhum dente decíduo, uma vez que irrompe num espaço onde não havia dente algum.

O segundo dente permanente a tomar o seu lugar na arcada é o incisivo central inferior, que aparece quando a criança tem entre os 6 e 7 anos de idade. Tal como na dentição decídua, os dentes permanentes inferiores tendem a preceder os da maxila no processo de erupção.

Pouco tempo depois desses, surgem os incisivos laterais inferiores, por vezes simultaneamente com os centrais. A seguir vêm os incisivos centrais superiores e cerca de um ano mais tarde os incisivos laterais superiores. Os primeiros pré-molares seguem os laterais quando a criança está com 10 ou 11 anos de idade; os caninos inferiores aparecem muitas vezes ao mesmo tempo. Os segundos pré-molares surgem no ano seguinte e a seguir os caninos superiores. Normalmente, os segundos molares nascem quando o indivíduo atinge os 12 anos; situam-se posteriormente aos primeiros molares e são muitas vezes designados de "molares dos 12 anos".

Dentes do sisoEditar

Os terceiros molares, mais conhecidos como dentes do siso não surgem antes dos 17 anos ou até mais tarde. É necessário um considerável crescimento da arcada após os 12 anos para permitir espaço a esses dentes. Os terceiros molares estão sujeitos a muitas anomalias e variações na forma. Muitas vezes esses dentes permanecem inclusos no osso durante anos. Uma forma de determinar se os terceiros molares estão ou não presentes é através de uma radiografia panorâmica. As pessoas que têm os terceiros molares devidamente desenvolvidos e alinhados são de fato uma minoria. É consenso que esse é um dente com tendência a desaparecer com a evolução do ser humano. Normalmente quando um dente do siso dá problemas, o cirurgião-dentista não hesitará em extraí-lo.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b «Dentes permanentes (definitivos)». Dentes.info. Consultado em 2 de Janeiro de 2016