Abrir menu principal

Diálogos sobre a Religião Natural

Diálogos sobre a Religião Natural é uma obra filosófica escrita pelo filósofo escocês David Hume. Através do diálogo, três personagens de ficção chamados Démea, Philo e Cleantes debatem a natureza da existência de Deus. Embora todos os três concordem que um deus exista, eles diferem acentuadamente sobre a natureza de Deus ou seus atributos e como, ou se, a humanidade pode chegar ao conhecimento de uma divindade.[1]

Nos Diálogos, personagens de Hume debatem uma série de argumentos para a existência de Deus e os argumentos cujos proponentes acreditam que através do qual poderemos vir a conhecer a natureza de Deus. Temas debatidos incluem o argumento do desígnio - para a qual Hume usa uma casa - e se há mais sofrimento ou bem no mundo (argumento do mal).

Hume começou a escrever os diálogos em 1750, mas não concluí-os até 1776, pouco antes de sua morte. Eles são parcialmente baseados na obra De Natura Deorum de Cícero. Os Diálogos foram publicados postumamente em 1779, originalmente sem o nome do autor nem da editora.

Referências

  1. Anthony C. Thiselton, "A Concise Encyclopedia of the Philosophy of Religion"

Ligações externasEditar

 
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Diálogos sobre a Religião Natural

Traduções para o portuguêsEditar

  • HUME, D. Diálogos sobre a religião natural. Trad. José Oscar de Almeida Marques. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
  • HUME, D. Diálogos sobre a religião natural. Trad. Álvaro Nunes. Lisboa: Edições 70, 2005.
  • HUME, D. Obras sobre religião. Trad. Francisco Marreiros e Pedro Galvão. Lisboa: Gulbenkian, 2005. (Inclui os Diálogos e a História Natural da Religião)
  • HUME, D. Diálogos sobre a religião natural. Trad. Bruna Frascolla. Salvador: Edufba, 20016.
  Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.