Dietmar Kamper

professor académico alemão
Dietmar Kamper
Nascimento 5 de outubro de 1936
Erkelenz
Morte 28 de outubro de 2001 (65 anos)
Berlim
Cidadania Alemanha
Ocupação sociólogo, professor universitário, escritor
Empregador Universidade Livre de Berlim, Universidade de Marburg

Dietmar Wilhelm Theodor Kamper (5 de outubro de 1936 em Erkelenz; 28 de outubro de 2001 em Berlin) foi um pensador alemão dedicado à Antropologia Histórica, Sociologia e Filosofia, reconhecido por seus estudos sobre corpo, imagem, cultura e crítica do Ocidente. Estudou em Colônia, Tubinga e Munique (Alemanha). Em 1959, formou-se em Educação Física. Em 1963, doutorou-se em Filosofia. Em 1972 habilitou-se como professor universitário em Ciências da Educação na Universidade de Marburg, onde ensinou de 1972 a 1979. A partir de 1979, Kamper foi professor de Sociologia, com ênfase em Sociologia da Cultura na Universidade Livre de Berlim e membro-fundador do Centro de Pesquisas em Antropologia Histórica nesta mesma universidade. Publicou extensa obra sobre antropologia filosófica, socialização, história do corpo e desejo. Foi sepultado no Novo Cemitério Judeu de Berlim, no bairro de Kreuzberg, a poucos metros do túmulo do escritor E.T.A. Hoffmann.

Trajetória acadêmica e pensamentoEditar

Dietmar Kamper inicialmente estudou as Ciências do Esporte. Suas inquietações filosóficas sobre o corpo surgem, portanto, já no período desta primeira formação, ao buscar nas aulas de filosofia de Bruno Liebrucks, na Universidade de Colônia, uma resposta para o conflito entre a corporeidade e a fenomenologia idealista hegeliana. A partir de então passa a ocupar-se exclusivamente das ciências humanas ou do espírito, as Geisteswissenschaften. Em Munique faz doutorado em filosofia sob orientação de Max Müller, com uma tese sobre Leopold Ziegler.

Interage e corresponde-se com os principais pensadores de sua época: inicialmente com Michel Foucault e Emil Cioran, continuando com Edgar Morin, Jean Baudrillard, Jean-François Lyotard, Cornelius Castoriadis, Michel Serres, Peter Sloterdijk, Hans Belting, Jacob Taubes, entre outros.

Após transferir-se, em 1979, da Universidade de Marburg para a Universidade Livre de Berlim funda, juntamente com Christoph Wulf, o Centro Interdisciplinar de Antropologia Histórica. Ali, durante duas décadas, atua como professor, pesquisador, organiza inúmeros encontros, publica e estabelece uma nova rede, que se estende até o Brasil.

Em São Paulo, Kamper encontra interlocução para temas como: o destino do corpo diante do virtual, as novas mídias, a perda do presente, o rastro, o sonho, a loucura, o tempo, o monstruoso, o humano. Visita o Brasil a partir dos anos 90, repetidas vezes. A convite do CISC - Centro Interdisciplinar de Semiótica da Cultura e da Mídia, da PUC-SP, e também de outras instituições, realiza conferências e participa, entre outros, dos eventos “Os sentidos do corpo” (1992), “O trabalho com vida” (1996) e “Imagem e violência” (2000).

Principais obras de Dietmar KamperEditar

  • O trabalho como vida. Org. Cleide Riva Campelo. Trad. Peter Naumann e Norval Baitello Jr. São Paulo: Annablume, 1998.
  • Mudança de Horizonte: o sol novo a cada dia, nada de novo sob o sol, mas. Trad. Danielle Naves de Oliveira. São Paulo: Paulus, 2016.
  • Geschichte und menschliche Natur [História e natureza humana]. Munique: Carl Hanser, 1973.
  • Zur Geschichte des Körpers [Sobre a história do corpo]. Munique: Carl Hanser, 1976.
  • Dekonstruktionen [Desconstruções]. Marburg: Guttandin & Hoppe, 1979.
  • Zur Geschichte der Einbildungskraft [Sobre a história da força da imaginação]. Munique: Carl Hanser, 1981.
  • Das gefangene Einhorn [O unicórnio aprisionado]. Munique: Carl Hanser, 1983.
  • Zur Soziologie der Imagination [Sociologia da imaginação]. Munique: Carl Hanser, 1986.
  • Hieroglyphen der Zeit. Texte vom Fremdwerden der Welt [Hieróglifos do tempo: textos do estranhamento do mundo]. Munique: Hansen, 1988.
  • Bildstörung. Im Orbit des Imaginären [Distúrbio de imagens. Na órbita do imaginário]. Sttutgart: Cantz, 1994.
  • Unmögliche Gegenwart. Zur Theorie der Phantasie [Presente impossível: sobre a teoria da fantasia]. Munique: Wilhelm Fink, 1995.
  • Abgang vom Kreuz [A descida da cruz]. Munique: Wilhelm Fink, 1996.
  • Im Souterrain der Bilder. Die schwarze Madonna [No subterrâneo das imagens. A madona negra]. Bodenheim: Philo, 1997.
  • Von Wegen [Que nada]. Munique: Wilhelm Fink, 1998.
  • Ästhetik der Abwesenheit: die Entfernung der Körper [Estética da ausência: a remoção do corpo]. Munique: Fink, 1999.
  • Horizontwechsel. Die Sonne neu jeden Tag, nichts neues unter der Sonne, aber... [Mudança de horizonte]. Munique: Wilhelm Fink, 2001.
  • Traumbuch. Träumen als Einbildungskraft. Org. Bernd Ternes, Annika Reich, Rudolf Heinz. [Livro de sonhos: sonhar como força imaginativa. Póstumo]. Munique: Fink, 2012.

Bibliografia sobre Dietmar KamperEditar

  • CISC. Revista Ghrebh-, Kamperianas. São Paulo, n.18, 2015. Disponível em: <https://web.archive.org/web/20160313054322/http://revista.cisc.org.br/ghrebh/index.php?journal=ghrebh>. Acesso em: 5 out. 2016.
  • BAITELLO Jr., Norval. Körperdenken. Em torno do pensamento corpo, de Dietmar Kamper. V Congresso Internacional de Comunicação e Cultura. Anais.... São Paulo: Faculdade Cásper Líbero, 2015. Disponível em: <http://www.cisc.org.br/portal/index.php/pt/anais.html>. Acesso em: 5 out. 2016.
  • BAITELLO Jr., Norval. Dietmar Kamper e a sociologia do corpo vivo. In: KAMPER, Dietmar. Mudança de Horizonte: o sol novo a cada dia, nada de novo sob o sol, mas. Trad. Danielle Naves de Oliveira. São Paulo: Paulus, 2016, p. 5-10. Col. Filosofia e Comunicação. Disponível em: <http://www.paulus.com.br/loja/appendix/4211.pdf>. Acesso em: 5 out.2016.
  • MARCONDES F., Ciro. Dietmar Kamper. O “presente impossível”. A caverna orbital. Uma estratégia contra o imaginário. A metodologia. In: MARCONDES F., C.. O princípio da razão durante. Da Escola de Frankfurt à critica alemã contemporânea. São Paulo: Paulus, 2011, p. 266-295.
  • OLIVEIRA, Danielle Naves de. Dietmar Kamper.. In: MARCONDES F., C. (Org.). Dicionário da Comunicação. São Paulo: Paulus, 2009, p. 279-281.

Ligações externasEditar