Abrir menu principal

Discussão:Taxonomia da família Orchidaceae

Nas publicações sobre a taxonomia de Orchidaceae é comum encontrarmos sites e textos seguindo duas taxonomias hoje obsoletas. A de Schlechter, que foi amplamente utilizada antes das publicações de Dressler, e também as duas propostas de Dressler de 1982 e 1994.

Desde 1999 está sendo lançada uma série de livros revisando sua classificação segundo conceitos da filogenia. De modo geral a coleção é extremamente útil para a classificação das subfamílias, tribos e subtribos, e nisto tem sido universalmente aceita e recomendamos como referência para a wikipedia.

Por outro lado, por ser resultado do trabalho de um grupo que privilegia demais a filogenia, suas propostas são quase que exclusivamente baseadas em nestes critérios, muitas vezes em detrimento dos caracteres morfológicos, que servem mais para embasar suas conclusões.

Naturalmente todos tem direito a publicar suas própria conclusões sobre seus trabalhos, no entanto, a falta de diálogo das dezenas de autores desta série com tradicionais especialistas em diversos gêneros, e também sua opção em certa medida subjetiva de quando dividir ou unificar os clados em gêneros, tem dificultado em certa medida, e em alguns casos enormemente, a aceitação de divisão genérica de certos grupos de gêneros, por eles sugerida. Apos a publicação de cada trabalho ou livro inicia-se uma gerra de publicações de correções a ajustes. Até mesmo por outros pesquisadores também baseados na filogenia.

Há inclusive especialistas que afirmam que os resultados das análises variam conforme o trecho de DNA utilizado nas análises, que fizeram analises com as sequências disponíveis no GenBank chegando a resultados completamente diferentes, e que é muito cedo para propor toda uma nova classificação baseada em resultados instáveis; que para unificar grande quantidade de gêneros, cujas análises produziram resultados conflitantes, em poucos gêneros mais estaveis, nos quais essa variabilidade de resultados não importa mais pois estariam todas as espécies em um gênero só, independente de qualquer resultado das análises, prova apenas a instabilidade e incipiência do sistema filogénetico atual para a sintonia fina e a necessidade de aprender mais sobre a genética das espécies antes de fazer estas modificações, que acabarão por criar uma quantidade gigantesca de sinônimos inúteis.

Todas estas alterações nos colocam em situação complicada pois é bastante dificil escrever artigos sem optar por um determinado nome. Além disso sites tradicionais que hospedam bancos de dados estão aguardando que se estabilizem algumas dessas mudanças antes de acrescentar as alterações aos seus sistemas.

De modo que minha proposta para nomenclatura na Wikipédia seria mais ou menos a seguinte:

  1. Seguir a nomenclatura do Genera Orchidacearum para todos os níveis acima de gênero pois nesse âmbito praticamente ninguém discorda dessa publicação.
  2. Para os gêneros, adotar todos os gêneros aceitos pelo Gênera Orchidacearum (GO) excetuadas as correções feitas por eles mesmos posteriormente.
  3. Para Pleurothallidinae, já publicada no GO, seguir a classificação genérica proposta por Luer em sua série Icones Pleurothallidinarum.
  4. Para Oncidiinae e Maxillariinae (ainda por publicar no GO) seguir as publicações genéricas de Norris Williams e Mark Whitten de Universidade da Florida.
  5. Dendrobiinae e espécies Australianas em geral (Calanthe, Pterostylis, Liparis, etc, parte publicada pelo GO, parte não) seguir os gêneros sugeridos por Clement e Jones.
  6. Para o grupo derivado de Prosthechea seguir Withner e Harding: "The Cattleyas and their relatives vol 6: the debatable Epidendrum" e os artigos de Guy Chiron e V.P.Castro em Richardiana.

Dalton (discussão) 15h18min de 3 de Novembro de 2008 (UTC)

Regressar à página "Taxonomia da família Orchidaceae".