Discussão:Transtorno bipolar

Discussões ativas

Comentário de Claudio MonteiroEditar

'Muito mal explicado, pois o que mais interessa ao pesquisador, é saber sobre os sintomas, tratamento e possível cura. Claudio Monteiro''texto a negrito

Perguntas!Editar

Não é recomendável o uso de bebidas alcoólicas para pacientes bipolares em tratamento. Retorne ao seu médico e converse com ele sobre a possibilidade da mudança dos medicamentos. O uso do ECT (Eletroconvulsioterapia), em determinados casos, apresenta ótimos efeitos. Bipolaridade não tem cura mas tem tratamento. Pode-se viver normalmente quando se segue o tratamento indicado. Sugiro também não abusar de bebidas com cafeína (café, Coca Cola, chocolate, chá mate e chá preto) por serem muito estimulantes e atrapalharem o sono. Pérsio Cupertino de Paiva (pepo.cupertino@gmail.com). Deus abençoe a todos. - Sou bipolar e hj faço um ano de tratamento (depois de tentar suicidio) e me encontro péssima. Depressão faz aniversário? - No carnaval consumi alcool, dentro do autorizado pelo meu medico isso pode ter influenciado no que estou sentindo hj? - Bipolaridade tem cura? - Eu não reconheço um bipolar, mas as pessoas me reconhecem como bipolar, como e porque?

A Wikipédia não é um serviço médico, então sugiro que suas dúvidas sejam direcionadas aos seus médicos. Tilgon ? 18h08min de 12 de Fevereiro de 2008 (UTC)

CiclotimiaEditar

O nomeado artigo redireciona para Distúrbio bipolar, no entanto, o próprio texto deste último possui um link na palavra ciclotimia:

  • No final da linha 7: (...) Veja ciclotimia para uma versão moderada deste distúrbio. (...)

Como não conheço o suficiente nem do DBP nem da sua suposta versão moderada, não me atrevo a editar Ciclotimia, mas acho que alguém capacitado deveria fazê-lo, criando um artigo próprio, se for relevante, ou uma secção neste, apagando, por isso, a recomendação da linha 7.

Franklin Kerber (discussão) 15h50min de 25 de Agosto de 2008 (UTC)

  Feito Fiz redirect de ciclotimia para Transtorno afetivo de personalidade [1]. FláviaCMsg 21h15min de 3 de fevereiro de 2009 (UTC)

Ao contrário, fiz redirect de Transtorno afetivo de personalidade para ciclotimia. FláviaCMsg 17h31min de 8 de fevereiro de 2009 (UTC)

Parágrafo estranhoEditar

Dêem uma olhada nessa parte da secção "Terapia ocupacional":

"Se só o nome já assustava, imagine-se a situação em que o bipolar comunica sua patologia a um leigo dizendo que tem psicose maníaco-depressiva. Seu interlocutor pensará que é um louco sem controle ao ouvir esses termos."

Essa parte tá muito subjetiva, como se expressasse a impressão pessoal de quem editou . É lógico que o artigo pode falar das reações de outras pessoas ao saber do transtorno e o preconceito que o termo técnico talvez cause, más de uma forma mais impessoal. Algo como:

"O termo 'psicose maníaco-depressiva' pode causar desconforto e até um certo preconceito em pessoas leigas com relação ao doente"

O resto do artigo parece estar adequado, eu não vou editar essa parte pois não tenho conhecimento no assunto, más alguém que tem com certeza deveria dar uma olhada. Viniciustlc (discussão) 21h44min de 3 de abril de 2009 (UTC)

Engano na definição de tipo 1 e tipo 2Editar

O transtorno bipolar tipo 1 se caracteriza pela presença de pelo menos um episódio de mania (i.e, euforia mais grave que a hipomania); podendo ocorrer predomínio de depressão ou de mania ao longo do curso da doença. O transtorno bipolar tipo 2 se caracteriza pela presença de pelo menos 1 episódio de hipomania (sem nunca ter existido episódio de mania); podendo ocorrer predomínio de depressão ou hipomania, contudo, o mais comum, nestes casos, é ter mais frequentemente sintomas depressivos.

40% dos gênios são bipolares contra 10% dos bipolares são gênios.Editar

basta que o percentual de gênios da humanidade seja menor do que 10% - muito provável - para que a chance de um bipolar ser gênio seja muito maior do que a de um não bipolar ter genialidade. e nem é preciso ser gênio ou bipolar para se entender isso. basta um mínimo de conhecimento matemático.

Regressar à página "Transtorno bipolar".