Abrir menu principal

Dorino I Gattilusio (m. 30 de junho de 1455) foi o quarto senhor de Lesbos entre 1428 e 1455. Era o segundo filho de Francesco II Gattilusio com Valentina Doria e sucedeu ao seu irmão mais velho, Jacopo Gattilusio, em 1428. Antes disso, havia sido governador da Foceia pelo menos desde 1423/4.[1]

Índice

ReinadoEditar

Logo depois de assumir o controle de Lesbos, Dorino informou a República de Gênova que deseja fazer parte do tratado com Afonso V de Aragão, o que o colocou em guerra contra Veneza pelos anos seguintes.[2]

Durante seu mandato, o castelo de Kokkinos, em Lemnos, e a ilha de Thasos passaram para o controle de Lesbos.[3] Porém, Dorino ficou acamado de 1449 em diante e seu filho, Domenico, passou a tratar dos assuntos do reino em seu nome.[4]

Depois da queda de Constantinopla, cresceu a hegemonia otomana no mar Egeu e, quando um almirante turco desembarcou em Lesbos em junho de 1455 à caminho de Rodes, Domenico acreditou ser um astuto ato diplomático enviar um representante, o historiador Ducas, ao dignitário turco com belos presentes de "6 roupas de seda e lã tecida, 6 000 peças de prata, 20 bois, 50 ovelhas e mais de 800 medidas de vinho, 2 bushels de biscoito e um de pão, mais de 500 kg de queijo e incontáveis frutas", além de presentes para os oficiais do almirante.[5] Dorino morreu não muito depois desta visita.

FamíliaEditar

Dorino casou-se com Orietta Doria, da família Doria, que ficou famosa em 1450 quando liderou os habitantes de Molives no Lemnos que conseguiram repelir um ataque turco à ilha.[6] O casal teve seis filhos conhecidos:

Ver tambémEditar

Dorino I Gattilusio
Nascimento: ? Morte: 1455
Títulos de nobreza
Precedido por:
Jacopo Gattilusio
Senhor de Lesbos
1428–1455
Sucedido por:
Domenico Gattilusio

Referências

  1. Miller (1913), p. 419
  2. Miller (1913), pp. 420f
  3. Miller (1913), pp. 422f
  4. Miller (1913), p. 427
  5. Miller (1913), p. 428
  6. Miller (1913), p. 426
  7. Miller, "The Gattilusj", p. 425
  8. The Fall of the Byzantine Empire: a Chronicle by George Sphrantzes, 1401-1477, translated by Marios Philippides (Amherst: University of Massachusetts, 1980), p. 53

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar