Douração

Moldura dourada com uma folha de ouro.

A douração, douramento, douradura ou Folheado a ouro é uma técnica de decoração de superfícies que utiliza uma camada finíssima de ouro.[1] O metal transformado em lâminas muito finas (conhecidas como folhas de ouro) é aplicado aos mais variados tipos de superfícies com adesivos.

As técnicas mais recentes permitem colocar esta finíssima lâmina por meio de eletrólise; ou seja: eletroliticamente colocar uma camada de ouro sobre qualquer superfície, inclusive bases não condutoras de eletricidade, em substituição do tradicional sistema de colagem de folhas sobre o objeto. Um exemplo são as dourações sobre madeiras de altares de igrejas, que são pintadas com uma tinta condutora de eletricidade, à qual se liga um fio (negativo) que sai de seu retificador e a um fio positivo e um algodão na ponta de um ânodo de mão embebido de um gel (ouro 24K) que é espalhado sobre esta tinta condutora. Trata-se de ouro verdadeiro com uma durabilidade superior às finas folhas de ouro coladas.

Histórico=Editar

A técnica era muito utilizada na Europa desde o século XVI, e chega a seu auge durante o período da arte Barroca, no século XVIII. Na época, o Barroco chega ao Brasil coincidindo com o desenvolvimento do Ciclo do Ouro, possibilitando que Igrejas e nobres usassem a técnica em suas construções.

No período da extração do ouro brasileiro, o mesmo era extraído e passava pelas casas de fundição, onde um quinto era retirado como imposto para a Colônia Portuguesa, e o restante permanecia com o minerador. O clero enviava o ouro restante para Portugal, e lá ele era fundido e transformado em lâminas extremamente finas. Quando retornavam ao Brasil, as lâminas eram usadas em altares, por exemplo. Na época a técnica era aplicada em madeira após um longo processo: depois de esculpir o altar, era aplicada uma camada de barro. Depois de seca, aplicava-se uma cola a base de animal, e posteriormente a lâmina de ouro. Ao secar, o aspecto do ouro era enrugado, e os artistas usavam uma pedra de ágata (que é extremamente lisa e afiada) para alisar.

AtualmenteEditar

Atualmente, por conta do desenvolvimento de novos materiais, o processo é um pouco diferente: primeiramente a madeira é coberta com um preparado de gesso e cola de coelho aplicados a quente, esse preparado é aplicado diversas vezes, em sentidos opostos, e a cada nova camada espera-se que a anterior seque e lixa-se para obter uma superfície lisa. Logo em seguida, é aplicado o bollus (massa de coloração avermelhada), uma argila misturada com água ou cola (para garantir o poder adesivo). Essa camada é necessária para delimitar os pontos que receberão o ouro e garantir um aspecto polido.

A terceira etapa envolve o real douramento com a aplicação das lâminas de ouro, geralmente de 22, 23 ou 24 quilates, e que acorre depois de umidificada a camada de bollus. Por conta da delicadeza das lâminas, são usados utensílios específicos como o coxim, a faca e a polonésia. Depois do ouro estar completamente seco, é polido com pedras de ágata para ficar com aspecto brilhante.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Douração». Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Consultado em 19 de março de 2016 
  Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.