E-Dura é uma neuroprótese, que encontra-se em fase experimental, aplicada ao longo da medula espinhal através de um implante, permitindo que o paciente possa recuperar os movimentos dos membros inferiores que tenham sido anulados por uma lesão permanente.[1][2]

O dispositivo feito de silício, coberto com fios de ouro e eletrodos de platina, é capaz de conduzir sinais elétricos e medicamentos para os nervos, disparando seus impulsos. Sua constituição imita o dura-máter, tecido mole que fica ao redor da espinha, evitando desconforto do paciente e a rejeição do organismo.[2]

O implante foi desenvolvido pelos pesquisadores da Escola Politécnica Federal de Lausana, na Suiça e divulgado publicamente no começo de 2015. Ele foi testado em casos de danos na medula de ratos paralisados e os cientistas esperam começar os testes clínicos em humanos nos próximos anos.[1]

Referências

  1. a b «New Implant Lets Paralyzed Rats Walk Again» (em inglês). LiveScience. 8 de janeiro de 2015 
  2. a b «Implante espinhal pode fazer paralíticos voltarem a andar». Exame.com. Abril. 9 de janeiro de 2015 

Ligações externasEditar


  Este artigo sobre medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.