Abrir menu principal

Grandes Armazéns do Chiado

(Redirecionado de Edifício Chiado)
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Armazéns do Chiado
Localização Lisboa, Portugal
Proprietário CRI - Commerz Real Investmentgesellschaft MBH[1]
Administração Multi Portugal[1]
Números
Lojas 52[1]
Área locável 13.976 m²
Página oficial www.armazensdochiado.com

Os Grandes Armazéns do Chiado são uma casa de comércio localizada na confluência da Rua do Carmo com a Rua Nova do Almada e a Rua Garrett, na freguesia de Santa Maria Maior, Lisboa.

O edifíco atual, é resultado da reabilitação dos Grandes Armazéns do Chiado, destruídos pelo Incêndio do Chiado de 1988. Atualmente o centro comercial conta com cerca de 50 lojas e restaurantes, numa área bruta locável de 13.976 m².[1]

HistóriaEditar

Desde 1279 existia neste local uma antiga casa chamada de Espírito Santo da Pedreira, irmandade de nobres e mercadores judeus que promoviam a associação e a entreajuda financeira. A denominação Pedreira advém do facto de no local se encontrar uma grande rocha que descia sobre o vale até ao que hoje se chama Baixa de Lisboa.

Tanto a casa, como o hospital da irmandade Espírito Santo da Pedreira e o espaço conventual adjacente se situavam na confluência da actual Rua Garrett com a Rua Nova do Almada tendo sofrido durante o século XVII diversas obras de reconstrução.

Com o Terramoto de 1755 o convento ficou em ruínas, pelo que a comunidade de religiosos foi transferida para o Convento das Necessidades até as obras ficarem concluídas. Como o regresso dos religiosos não ocorreu, passou o edifício a ter outras utilizações: primeiro o Palácio Barcelinhos e logo os Grandes Armazéns do Chiado. Estes últimos nasceram em 1894 e trouxeram a Lisboa um comércio cosmopolita que existia em Paris com um espaço comercial amplo e variado, desde a confecção e perfumaria e até à ourivesaria.

Os Grandes Armazéns tornaram-se num local de sucesso e de referência para o comércio, ostentando a divisa "Ganhar pouco, servindo bem o público". Assim aconteceu por quase um século, tendo dado emprego a muita gente e servido muitos milhares de clientes.

O incêndio de 25 de Agosto de 1988 destruiu por completo o espaço, pondo termo a uma situação de falência técnica iminente e deixando umas centenas desempregados. O incêndio trouxe à luz do dia, no esventrado espaço, as antigas dependências do Convento do Espírito Santo onde se situavam o refeitório e arrecadações dos Armazéns.

O projecto "Grandes Armazéns do Chiado" desenvolve-se a partir de 1995, segundo o projecto de 1989 do arquitecto Álvaro Siza Vieira.

Reabilitada a estrutura e fachada exterior, o espaço foi reconvertido num moderno centro comercial, jamais augurando no entanto o êxito e a importância que os Armazéns gozaram antigamente.

NotasEditar

BibliografiaEditar

  • SANTANA, Francisco e SUCENA, Eduardo (dir.), Dicionário da História de Lisboa, 1.ª ed., Sacavém, Carlos Quintas & Associados – Consultores, 1994, pp. 351–353.
  • FRANÇA, José Augusto, Lisboa Pombalina e o Iluminismo, 3ª ed., Lisboa, Bertrand Editora, 1987, p. 189.
  • Caminhos e Identidades da Modernidade. 1910, o edificio Chiado em Coimbra, Museu Municipal, Camara municipal de Coimbra, 2010

CM Lisboa

  1. a b c d «Armazéns do Chiado». Associação Portuguesa de Centros Comerciais. Consultado em 11 de Março de 2018