Elesvita

Elesvita (falecida em 5 de dezembro de 902) era a esposa do Rei Alfredo, o Grande. Seu pai era um nobre mércio, Etelredo Mucel, duque de Gaini, que se pensa ser um velho grupo tribal mércio. Sua mãe era Edebura, um membro da família real mércia, e de acordo com o historiador Cyril Hart ela era descendente do Rei Coenvulfo de Mércia.[1] Ela é comemorada como santa no Oriente e Ocidente Cristão, a 20 de julho.[2]

Elesvita
Reinado 23 Abril 871 – 26 Outubro 899
Consorte Alfredo, Rei de Wessex
Morte 902
Pai Etelredo Mucel
Mãe Edbura
Filho(s) Elfrida
Etelverdo
Æthelgifu
Eduardo, o Velho
Etelfleda

VidaEditar

Ela casou com Alfredo em 868 em Gainsborough, Lincolnshire. Seu irmão mais velho Etelredo era o rei, e Alfredo foi considerado como o herdeiro aparente.[3][4] Os Dinamarqueses ocuparam a cidade mércia de Nottingham, nesse ano, e o casamento foi provavelmente relacionado com uma aliança entre Wessex e Mércia.[5] Alfredo tornou-se rei com a morte de seu irmão em 871.

Elesvita está muito obscura em fontes contemporâneas. Ela não testemunhou nenhumas cartas conhecidas, e Asser nem sequer menciona o nome dela em sua Vida de Rei Alfredo. Em conformidade com os costumes do nono século Saxão Ocidental, a ela não foi dado o título de rainha. De acordo com o rei Alfredo, isso foi por causa da infame conduta de uma ex-rainha de Wessex chamada Edebura, que tinha acidentalmente envenenado seu marido.[6]

Alfredo deixou a sua esposa três importante propriedades simbólicas por sua vontade, Edington em Wiltshire, o local de uma importante vitória sobre os Vikings, Lambourn em Berkshire, que ficava perto do outro, e Wantage, seu local de nascimento. Estes faziam todos parte de sua bookland, e eles ficaram em posse real após a sua morte.

É, provável, que depois da morte de Alfredo em 899 que Elesvita tenha fundado o convento de Abadia de santa Maria, Winchester, conhecido como o Nunnaminster. Ela faleceu a 5 de dezembro de 902, e foi enterrada na nova abadia Beneditina de seu filho Eduardo, o New Minster, Winchester. Ela é comemorada em dois recentes manuscritos do século X como "a verdadeira e querida senhora dos ingleses".

FilhosEditar

Alfredo e Elesvita tiveram cinco filhos que sobreviveram até a idade adulta.

Referências

  1. Keynes & Lapidge, Asser, pp. 77; 240-41; Hart, Æthelstan, p. 116 n.
  2. http://catholicsaints.info/saint-elswith, http://www.antiochian.org/node/19095
  3. Keynes & Lapidge, Asser, p. 77
  4. Costambeys, Ealhswith
  5. Williams, Ealhswith
  6. Keynes & Lapidge Asser, pp. 71-72, 235-236