Equilíbrio do terror

O equilíbrio do terror é uma teoria elaborada na época da chamada Guerra Fria, quando a União Soviética e seus aliados do Pacto de Varsóvia por um lado, e os Estados Unidos da América e seus aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN/NATO) por outro, entraram numa corrida ao armamento de tal modo perigoso que nenhuma das eventuais partes beligerantes podia esperar vencer um hipotético conflito armado.[1]

Nesta época desenvolveram-se consideravelmente os mísseis balísticos e os diferentes tipos de armas nucleares.[1] As potências constituídas representavam forças capazes de "fazer desaparecer o planeta várias vezes", segundo uma expressão popular muito em voga na época. A assombrosa quantidade de armamento tido por qualquer dos lados conduziu a negociações, antes de se chegar a acordos de desarmamento parcial.

E como a URSS e os EUA se temiam mutuamente não queriam ser o 1º a atacar (guerra mesmo declarada), daí o equilíbrio; viviam uma "guerra fria", espionando-se mutuamente e competindo, mas nenhum queria ser o primeiro a desencadear um conflito aberto.[1][2]

A doutrina subjacente a esta expressão entende-se como a capacidade de cada bloco antagônico para aniquilar o opositor por meio de um ataque nuclear massivo em caso de ser agredido: o primeiro que tentasse destruir o outro tinha a certeza de ser destruído por sua vez, anulando completamente a motivação de desenvolver tal ataque.[1] Este equilíbrio convertia-se paradoxalmente em garantia para a paz e foi de facto o que evitou que as duas superpotências se enfrentassem abertamente durante o tempo em que conviveram.[1]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e Ukpe, Essien U. U. «Balance of Terror and National/International Security: the need for Nigeria to acquire nuclear weapons». Academia (em inglês): 1-2. Consultado em 9 de dezembro de 2019 
  2. «Definition of BALANCE OF TERROR». Merriam-Webster (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2019