Abrir menu principal

Ermida da Santa Ana (Ponta Delgada)

Ermida da Santa Ana, Ponta Delgada.

A Ermida de Sant'Ana localiza-se no concelho de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, na Região Autónoma dos Açores, em Portugal.

HistóriaEditar

A ermida e o seu recolhimento foram fundados no princípio do século XVII, pertencendo ambos ao licenciado António de Frias e a sua esposa, padroeiros dos Conventos de Santo André e de São João, ambos em Ponta Delgada, familiares de Maria Guilhermina Taveira de Neiva Frias Brum da Silveira, que casou com José do Canto (1820-1898).

Ali estivaram hospedados, durante alguns anos, vários frades agostinhos, entre eles Frei Brás Soares, enquanto durou a construção do Convento da Graça.

A ermida poderá ser anterior ao recolhimento, uma vez que só depois de os agostinhos saírem da ermida e da casa anexa à mesma, é que o licenciado Frias resolveu fundar o recolhimento para abrigo de parentes pobres. O regulamento deste, redigido pelo fundador, data de 10 de agosto de 1624 e, pelo seu testamento de 21 de novembro desse ano, vincula à instituição parte dos seus rendimentos.

Nos fins do século XVII, a ermida encontrava-se decaída e necessitada de alfaias, segundo se depreende das visitas que lhe foram feitas.

No primeiro quartel do século seguinte, porque a paróquia de São Sebastião estava com numerosa população, pensou-se em desmembrar o serviço paroquial respectivo, com a criação de um curato em Santa Ana, o que nunca chegou a verificar-se.

No decurso dos séculos XVIII e XIX, os bens desta instituição foram diminuindo mercê de factores vários, que seria fastidioso enumerar, acabando o recolhimento por arruinar-se, e a ermida por vir a pertencer à paróquia de São Sebastião (Matriz) em Ponta Delgada, não obstante algumas dádivas que ainda na vigência da última centúria foram recebidas.

A ermida e o jardim couberam por herança a Dna. Maria da Graça Hintze Ribeiro Jardim, bisneta de José do Canto e sua esposa. Dna. maria da Graça, escritora, casou com Augusto de Athayde Côrte-Real Soares d'Albergaria, empresário, sendo pais do também já falecido professor doutor Augusto de Athayde Soares d'Albergaria.

A Fundação do Jardim José do Canto, sua legítima proprietária, requereu-a para a sua administração, continuando a realizar-se ali cerimónias religiosas e, também concertos de música sacra e clássica.

Encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Governo Regional dos Açores.

CaracterísticasEditar

Exemplar de arquitetura religiosa, seiscentista.

Situa-se no extremo sudoeste do Jardim José do Canto, existindo mesmo uma porta lateral que comunica com aquele espaço botânico. Junto da ermida existem as ruínas de um antigo recolhimento.

ReferênciasEditar

Ver tambémEditar