Eruandaxata

Eruandaxata (Eruand-a-šat, lit. "Felicidade de Ervande") ou Eruardacerta (Eruandakert), talvez helenizada como Orontaxata e Orontocerta,[1] foi uma cidade da Armênia situada sobre colina rochosa na junção dos rios Acuriã e Araxes, no cantão de Arsarúnia, na província de Airarate.[2] Fundada por Orontes IV (r. 212–200 a.C.) ca. 200 a.C., era capital do Reino da Armênia até a residência real ser transferida à recém-fundada Artaxata por seu fundador Artaxias I (r. 190/189–160 a.C.); Eruandaxata foi rebatizava brevemente como Marmete ou Artamete. Além de muito fortificada com muralhas e cidadela, tinha certa relevância comercial e considerável população judaica, mas não atuou como centro helenístico nem era conhecida dos autores clássicos.[3]

No século IV, foi dada por Tirídates III (r. 288–330) à família Camsaracano, um ramo da dinastia reinante e torna-se centro do distrito de Arsarúnia. Foi destruída pelo Sapor II (r. 309–379) na invasão persa de cerca de 364 e sua população (supostas 20 000 famílias armênias e 30 000 judaicas) foram deportados ao Império Sassânida. Ainda existiu no século VII, mas nunca recuperou sua antiga importância. Hoje, em ruínas, está localizada entre as vilas de Baquechalar e Querbeclu, mas não foi escavada.[3]

Referências

  1. Toumanoff 1963, p. 319.
  2. Toumanoff 1963, p. 206.
  3. a b Hewsen 1998.

BibliografiaEditar

  • Toumanoff, Cyril (1963). Studies in Christian Caucasian History. Washington: Imprensa da Universidade de Georgetown 
  • Hewsen, Robert H. (1998). «Eruandašat». Enciclopédia Irânica Vol. VIII, Fasc. 6. Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Colúmbia