Abrir menu principal

O Escândalo das papeletas amarelas foi um episódio de suborno por parte do Flamengo, aos árbitros do Brasil, que aconteceu durante a década de 80. Os recibos do suborno eram de cor amarela, por isso o nome do escândalo.[1]

HistóriaEditar

Após denúncias de corrupção na gestão de George Helal, o conselho deliberativo do clube queria saber onde tinham sido gastos 300 mil cruzados (provenientes da Loteria Esportiva) depositados na conta do vice-presidente de esportes amadores do clube na época, Leo Rabelo.[2]

O clube destinava parte de suas receitas para a compra de árbitros e adversários. As provas ("notas fiscais" de cor amarela) surgiram em 1986, mas o "esquema" em si ninguém sabe quando começou.

Duas versões surgiram na época:[3]

  • A do vice-presidente Leo Rabelo que garantiu que o dinheiro fora usado para pagamentos a atletas amadores e profissional, mas não apresentou recibo provando o que dissera em sua defesa e foi contraditório em todos os depoimentos prestados.[3]
  • George Helal, numa reunião com dirigentes do Flamengo afirmou que "os 300 mil cruzados foram distribuídos como doping positivo para incentivar os clubes pequenos contra nossos rivais."[3]

Referências

Ligações externasEditar

  • video.globo.com/ Baú do Esporte - Em 1986, o escândalo das papeletas amarelas no Flamengo