Abrir menu principal

Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico do Porto

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) é uma unidade orgânica do Instituto Politécnico do Porto localizada em Felgueiras.

O EdifícioEditar

O edíficio onde a escola funciona, que é também conhecido por Casa do Curral, pertenceu à Câmara Municipal de Felgueiras, sendo atualmente propriedade do Instituto Politécnico do Porto. Este edifício fez parte do enredo de "A Morgadinha dos Canaviais" do escritor Júlio Dinis. A Casa do Curral que em 1999 estava em estado de ruína, foi totalmente reabilitada e revitalizada no ano de 2003 por projecto da autoria do arquitecto português Filipe Oliveira Dias.

A ESTG, criada no ano 1999, é a única instituição de ensino superior público na região do Tâmega e Sousa. Ao longo destes últimos 20 anos, muitos foram os marcos que ditaram a história da Escola, que contou com quatro direções e duas presidências. Inicialmente com 13 estudantes e uma licenciatura, a ESTG tem hoje 1500 estudantes e 21 cursos. A criação desta Escola decorreu de duas circunstâncias específicas. A primeira prendeu-se com a existência de um vazio de ensino superior público na região do Tâmega e Sousa e a segunda com a existência de um tecido empresarial de natureza complexa e diversificada, caracterizado pela existência de pequenas/médias unidades de produção, de dominância industrial e de expressão monosetorial.

A circunstância específica de cada organização, mutável no tempo devido à ocorrência ou ausência de diversos fatores, exigem transformações e adaptações que levaram o Politécnico do Porto, em 2015, a qualificar e concentrar, em cada uma das suas oito escolas, os principais clusters para o ensino e formação. Esta reestruturação determina ainda uma alteração na denominação da ESTG, até então designada Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras, e que passa a designar-se Escola Superior de Tecnologia e Gestão, refletindo a sua realidade. A ESTG tem sede em Felgueiras, mas é do Tâmega e Sousa, tendo também intervenção a nível nacional e internacional. Fica ainda claro o cluster de referência pretendido e assumido, a Tecnologia e Gestão.


TomorroWlanEditar

 
Imagem retirada do recinto da lan no dia da fase de grupos

A maior LAN de vídeo jogos organizada por alunos na escola, decorre no início de cada semestre e conta com a presença do corpo de jogadores da escola. Começou no Verão de 2013 com o nome de "ESTGF ESPORTS WEEK", num formato online com a presença de 6 equipas e actualmente é um evento em lan realizado ao longo de vários dias na escola, sendo o recorde actual registado em 40 inscrições individuais. No decorrer do ano lectivo 2013/2014 foi também realizada a primeira TomorroWlan Viewing Party.

TomorroWlan V.1 ESTGF | IPPEditar

     
Jogadores Equipa Jogadores Equipa Jogadores Equipa
League of Legends Xniper

Kuz Hellsd
Psycku
M1guelovski
Undermike

GodSlayers V.2 Tareco

Dunk blunt
Sergaypoke
caxinaswin
Teo1990

SpongeBob Drast7 

efused akoor
cooizzo
brow1994
xx rize 47 xx

Caril Team

TomorroWlan V.2 ESTGF | IPPEditar

     
Jogadores Equipa Jogadores Equipa Jogadores Equipa
League of Legends Xniper

m1guelovski
inDyAno
kuz hellsd
kuz DRUGADDICT

We Are GodSlayers cpccarvalho

nynoextreme
ShineOnÝou
eFused AKOOR
eLiTeTaKeR

Fatal5Way Tareco

Caxinaswin
Dunk Blunt
Sergaypoke
Teo1990

SpongeBoB

ArquitecturaEditar

O prédio da Escola é edificação habitacional do século XIX (1868), de carácter misto, urbano e rural, que foi readaptada ao longo da sua história com tipologias de construção diversas, no que se refere à qualidade e materiais empregues.

  • O edifício tem planta quadrada de 24,5 metros de lado, com três pisos e um pátio que, sendo o centro, adquire uma grande importância na organização espacial.
  • O pátio, apoiado pela forma de quadrado perfeito do edifício, foi resgatado para a nova estrutura espacial reordenando as suas proporções, de modo a reforçar a forma quadrangular, sublimada pela reorganização das águas do telhado e pela cobertura piramidal de vidro sobre o pátio. Foi deste modo gerada toda a proporção do espaço circulatório e de comunicações verticais da intervenção. O pátio sugere uma transparência entre pisos e pé-direito duplo, que é levada às últimas consequências com a “ideia-solução” de piso de vidro translúcido existente entre o nível 0 e o nível 1.
  • O desordenamento espacial encontrado faz com que a sua estrutura, quer espacial quer estrutural, não fosse adequada nem pudesse ter sido totalmente recuperada para a nova função, sendo todavia possível a recuperação da estrutura vertical depois de reconsolidada. Para apoiar consequentemente esta reordenação espacial foi concebida uma estrutura metálica dialogante com a tradicional (perpianho de granito) e com a transparência do vidro, que dinamizou e refrescou todo o interior do edifício, conferindo-lhe a contemporaneidade da intervenção e a solidez necessária a um uso público.
  • Para um reordenamento mais rentável dos espaços, foi decidido manter os três pisos existentes, estabilizando as suas cotas e pé-direitos. A interligação destes foi garantida por circuitos de comunicação vertical (escadas e elevador) legíveis, bem como por sistemas pontuais, cumprindo as regulamentações contra as barreiras arquitectónicas. O considerável aumento de área reflecte-se essencialmente em área útil, rentabilizando de modo integrado o investimento nesta área da cidade numa opção de reabilitação de património existente sem necessidade de aumento da sua volumetria.

Ligações externasEditar