Século de Ouro Espanhol: diferenças entre revisões

2 bytes adicionados ,  20h05min de 4 de agosto de 2009
sem resumo de edição
m (Século de Ouro espanhol movido para Século de Ouro Espanhol: Capitalizar o último termo 'espanhol'.)
As cidades mais importantes deste período são: [[Sevilla]], por receber as riquezas coloniais e aos comerciantes e banqueiros europeus mais importantes, junto com a delinqüência internacional; [[Madri]], como sede da corte, [[Toledo]], [[Valencia]], e [[Zaragoza]].
 
No terrono das humanidades seu cultivo foi mais extenso que profundo, e de matiz mais divulgativa que erudita, apesar de que a [[filologia]] ofereceu testemunhos eminentes como a [[BibliaBíblia Poliglota ComputenseComplutense]], ou a ''Biblia regis o de Amberes'' de [[Benito Arias Montano]], enquanto que o cientificismo teve avanços importantes em [[Linguística]] ( [[Francisco Sánchez de las Brozas]]]] e sua ''Minerva''; as numerosas gramáticas de língua indigena realizadas pelos missionários0, como conseqüência do descobrimento da América.
 
Houve também figuras eminentes na [[Matemática]] ([[Sebastián Izquierdo]], [[Juan Caramuel]], [[Pedro Nunes]], [[Omerique]], [[Pedro Ciruelo]], [[Juan de Rojas y Sarmiento]], [[Rodrigo Zamorano]]), Física, Medicina, Farmacología ([[Andrés Laguna]]), Psicología ([[Juan Luis Vives]], [[Juan Huarte de San Juan]]) y Filosofía ([[Francisco Suárez]]). Igualmente se desenvolveram, por causa do grande impacto que tiveram os descobrimentos dos novos povos, o [[Direito Natural]], e o [[Direito dos Povos]], com figuras como [[Bartolomé de las Casas]], influente precurssor dos [[Direitos Humanos]] e defensor do [[jusnaturalismo]] em seu ''De regia potestate'', e ainda [[Francisco de Vitória]].
196

edições