Abrir menu principal

Alterações

80 bytes adicionados, 14h05min de 8 de setembro de 2009
clean up - imagem > ficheiro, Replaced: [[Imagem: → [[Ficheiro: (2), utilizando [[Project:AutoWikiBrowser|AWB]]
 
== Antecedentes Históricos e Estatísticas==
A primeira pessoa reconhecidamente morta em um acidente automobilístico no mundo foi Bridget Driscoll, em 1896, a uma velocidade de 6,5  km/h [http://en.wikipedia.org/wiki/Bridget_Driscoll].
 
Ao redor do mundo, acidentes automobilísticos vitimam aproximadamente, por estimativa, um milhão de pessoas por ano (fonte : USA 2002 Statistics)[http://www-nrd.nhtsa.dot.gov/pdf/nrd-30/NCSA/TSFAnn/TSF2003F.pdf].
 
No total de impactos, 83% acontecem contra veículos em movimento, ao passo que 8,9% são contra alvos fixos. A diferença, 8%, acontece contra alvos não fixos (animais, pessoas, objetos variados, outros). O impacto frontal domina com 38%, os laterais com 23% e os traseiros com 20%. Apesar de os impactos frontal e traseiro serem mais comuns, o lateral é tido como o mais nocivo.
[[ImagemFicheiro:Car crash 2.jpg|right|400|thumb|Impacto lateral]]
 
A diferença, 19%, resulta em outros tipos (capotagens, saltos, quedas).
Curiosamente, a maior causa de acidentes se deve a fatores desconhecidos, cerca de 53%, que podem tanto variar desde causas mecânicas do veículo, [[males súbitos]] (paradas [[cárdio-respiratórias]], [[tromboses]], [[AVC]]´s hemorrágico ou isquêmico), à [[alucinação|alucinações]], acidentes induzidos ([[suicídio]]), acidentes provocados por terceiros nas vias (pedestres em passarelas que lançam pedras contra pára-brisas), ou, ainda, causas sem uma explicação plausível [http://en.wikipedia.org/wiki/Parapsychology][http://en.wikipedia.org/wiki/Ghost].
 
Normalmente impactos de crash-test são realizados a velocidades padrão entre 50 e 64  km/h, contra blocos de concreto ou metal indeformáveis. No entanto, notoriamente observa-se em tráfego rodoviário velocidades médias aproximadas de 120  km/h. Em caso de impacto contra veículo em sentido contrário, a essa velocidade observada, tem-se um somatório(Física),ficando o impacto equivalente a 240  km/h, configurando situação superior às simulações em voga, muito embora as agências creditem o choque contra objeto fixo indeformável ser equivalente ao impacto entre dois veículos. Cabe salientar ainda que, nenhuma estrutura veicular conhecida suporta impactos acima de 120  km/h.
 
== O Air-Bag e a Eficiência de Impacto==
A concepção que se faz de veículos de grande estrutura é a de que resultariam em maior proteção, dada a sua massa [http://en.wikipedia.org/wiki/Crash_incompatibility]. No entanto, tal concepção é errônea, pois a massa em movimento tende a multiplicar-se. Num impacto, toda a inércia da massa é projetada sobre o ponto de impacto da estrutura veicular. Testes vêm revelando que veículos de maior massa, tipo camionetes e [[SUV]]s, são relativamente mais propensos à insegurança que veículos de menor porte, ou seja, não necessariamente são mais seguros.
 
Um veículo cuja massa seja de 2000kg2000 kg, a 100km100 km/h estaria pesando aproximadamente, e pelo menos, o dobro. Supondo que sua estrutura tenha o peso distribuído regularmente, a estrutura frontal pesaria 700  kg. Num impacto contra veículo de iguais proporções, a estrutura dianteira receberia a pressão dos restantes 1300kg1300 kg do veículo, que estaria pesando 2600kg2600 kg, mais a pressão da massa do outro veículo, que estaria pesando 4000kg4000 kg, numa pressão total de 6600kg6600 kg, em tese.
 
A eficiência de impacto não resulta necessariamente na sua absorção. O importante no impacto, a fim de que o habitáculo não seja atingido, ou esmagado, é que a estrutura frontal seja rígida o suficiente, a fim de que a [[energia cinética]][http://en.wikipedia.org/wiki/Kinetic_energy] não seja assimilada internamente ao veículo (pelas vigas do assoalho e colunas da capota), vindo a atingir os ocupantes.
Assim, a conclusão é de que, para muitos veículos modernos, a zona de deformação veicular é o próprio pára-brisas do automóvel, ou seja, o próprio habitáculo, que vem a receber toda a energia do choque.
 
Como a velocidade média de viagem aumentou muito nas últimas décadas, passando de uma média aproximada de 80  km/h para médias em torno de 130/140  km/h, muitas das estruturas frontais dos veículos da década de 90 e primeiros anos de 2000 (até 2002), diminuiu em peso e tamanho, não oferecendo, por razões de custos e/ou desempenho veicular, a rigidês necessária, ficando os últimos recursos voltados à segurança pouco satisfatorios. Em muitas vezes, nem isso.
 
== As diferenças entre projetos até 1999/2000 e novos projetos a partir de 2001 ==
Há um tipo de impacto bastante comum, e que normalmente envolve veículos compactos. É o impacto contra as traseiras de ônibus e caminhões. Normalmente os veículos, devido à baixa altura em relação ao solo, vem a se instalar debaixo da estrutura de carga.
 
Caso houvesse legislação que limitasse a altura de pára-choques de veículos de carga, bem como determinasse que nas traseiras os pára-choques fossem alinhados com as estruturas de carga, impactos dessa natureza (com grande proporção de fatalismo) seriam bastante diminuídos, ou até mesmo deixariam de existir.[[ImagemFicheiro:Car.accident.arp.750pix.jpg|left|350px|thumb|Absorção quase direta sobre o pára-brisas]]
 
É comum nesses casos o choque diretamente contra o pára-brisas. Para tanto, na possibilidade de existência de pára-brisas projetados com materiais químicos resinados ([[policarbonato]]s [http://en.wikipedia.org/wiki/Polycarbonate], ou similares), estes seriam mais leves e teriam características físicas de flexibilidade.
217 100

edições