Sima Qian: diferenças entre revisões

1 byte removido ,  5 de abril de 2010
 
[[Ficheiro:Sima Qian.png|thumb|180px|Representação of Sima Qian.]]
Em 99 a. C. Sima Qian se envolveu na Questão Li Ling: [[Li Ling (Dinastia Han)|Li Ling]] e Li Guangli (李广利), dois militares que lideraram uma campanha contra o [[Xiongnu]] no norte, foram derrotados e levados cativos. O imperador Han Wudi atribuiu a derrota a Li Ling e todos os funcionários do governo condenaramucondenaram Li Ling pela derrota. Sima foi a única pessoa a defender o general<ref name="encyclopedia.com" /> Li Ling, que nunca tinha sido seu amigo, mas a quem ele respeitava. O imperador Han Wudi interpretou a defesa de Li Ling por Sima como um ataque a seu cunhado, que também lutou contra a Xiongnu sem muito sucesso, e condenou Sima à morte. Naquele tempo, a execução poderia ser [[comutação de pena|comutada]] ou por dinheiro ou por [[castração]]. Visto que Sima não possuía dinheiro suficiente para expiar seu "crime", ele escolheu a segunda alternativa e foi então levado preso, onde passou três anos. Sima descreveu a dor assim: "Quando você vê o carcereiro você abjetamente toca o chão com sua testa. A mera visão de seus subordinados gera apreensão com terror … Tal ignomínia nunca pode ser apagada".
 
Em 96 a.C., ao ser libertado da prisão, Sima escolheu viver como um [[eunuco]] palaciano, de modo a completar suas histórias, ao invés de cometer suicídio como era esperado<ref name="encyclopedia.com">[http://www.encyclopedia.com/doc/1O48-SimaQian.html Encyclopedia.com]</ref> de um cavalheiro erudito. Como Sima Qian explicou:
Utilizador anónimo