Novilíngua: diferenças entre revisões

24 bytes adicionados ,  13 de junho de 2010
sem resumo de edição
'''Novilíngua''' ou '''Novafala''' é um [[idioma]] [[Ficção|fictício]] criado pelo governo hiperautoritário na obra literária ''[[1984 (livro)|1984]]'', de [[George Orwell]]. A novilíngua era desenvolvida não pela criação de novas [[palavra]]s, mas pela "condensação" e "remoção" delas ou de alguns de seus sentidos, com o objetivo de restringir o escopo do [[pensamento]]. Uma vez que as pessoas não pudessem se referir a algo, isso passaria a não existir. Assim, por meio do controle sobre a [[linguagem]], o governo seria capaz de controlar o pensamento das pessoas, impedindo que [[ideia]]s indesejáveis viessem a surgir.
 
Não se deve confundir novilíngua com simples [[tabu]] a respeito de palavras. A ideia aqui consiste em restringir as possibilidades de raciocínio, não o simples proibir a menção a coisas, fatos ou pessoas indesejáveis.
 
== Termos em novilínguanovafala ==
Uma das características da novilínguanovafala é o fato de ela ser a primeira língua a reduzir seus termos.
Ao contrário das outras línguas, onde cada vez mais são anexadas novas gírias e conceitos, a novilíngua retira termos, como antónimos e sinónimos.
Entre os exemplos citados no livro, se algo é ''bom'', não é necessário existir a palavra ''mau'', simplesmente seria ''imbom'', sendo o prefixo ''im''- (ou ''in''-) característica antonímia da palavra. Também não é necessário existir ''ótimo'' ou melhor que bom, seria simplesmente ''plusbom''. Se fosse melhor ainda, seria ''dupliplusbom''.
*[[Duplipensar]] - Duplo pensamento, duplicidade de pensamentos, saber que está errado e se convencer que esta certo. "Inconsciência é ortodoxia".
*[[Crimideia]] - Crime ideológico, pensamentos ilegais.
*[[Despessoa - Impessoa]] - Uma pessoa que não existe mais, e todas as referências a ela devem ser apagadas dos registros históricos.
 
{{esboço-fc}}
31

edições