Diferenças entre edições de "Paulo Matos"

2 207 bytes adicionados ,  00h42min de 8 de setembro de 2010
m
Revertidas edições por 189.4.151.246, para a última versão por Salebot
m (Revertidas edições por 189.4.151.246, para a última versão por Salebot)
'''Paulo Matos''' ([[Lisboa]], [[28 de Julho]] de [[1960]]) é um actor e encenador [[portugal|português]].
<ref>inserir fonte aqui</ref>[[Paulo Matos]]<ref>inserir fonte aqui</ref>(Santos,09 de outubro de 1952-Santos,19 de julho de 2010) foi Jornalista, historiador pós-graduado e bacharel em Direito, formado pela Universidade Católica de Santos.
[[Ficheiro:Exemplo.jpg]]Escreveu livros sobre transporte coletivo, sindicalismo, saude mental e tinha títulos não publicados, como As Autonomias Nacionais da Santos Libertária.
 
Licenciou-se em Estudos Literários e Teatrais, pela [[Universidade de Sorbonne]] em [[Paris]], onde frequentou a Escola de Teatro do Laboratório de Estudos em Movimento de [[Jacques Lecoq]]. É diplomado em Formação de Actores pela [[Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa]] e Pós-Graduado em Gestão das Artes, pelo Instituto Nacional de Administração.
[[Ficheiro:Exemplo.jpg]]Matos se destacou pelo combate à ditadura militar (1964-1985). Foi detido em 1968, aos 16 anos, sob acusação de tramar um atentado contra o então governador, Abreu Sodré. Em 1984, foi processado com base na Lei de Segurança Nacional por se manifestar contra o aumento da tarifa de ônibus.
 
Actor, com actividade no teatro, na televisão e no cinema - participou em filmes como ''Palavra e Utopia'', ''A Divina Comédia'' e ''Non ou a Vã Glória de Mandar'', de [[Manoel de Oliveira]]; ''No Dia dos Meus Anos'', de [[João Botelho]]; ''A Maldição do Marialva'', de [[António de Macedo]].
Referências:http://jornalsantoshistoriapaulomatos.blogspot.com<ref>http://jornalsantoshistoriapaulomatos.blogspot.com</ref>
 
Como encenador salienta a direcção do ''[[Grupo de Teatro de Letras]]'' da [[Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa|Faculdade de Letras]] da [[Universidade de Lisboa]] com o qual efectuou variadas digressões e trabalhou peças de Robert Browning, A. de Musset, Jean-Claude Grumberg, Ulrich Plenzdorf ou [[David Mamet]]. Encenou ainda espectáculos no [[Teatro São Luiz]] (''Vamos Fazer Uma Ópera'', de Benjamin Britten), [[ACARTE]] (''Guerras do Alecrim e Manjerona'', de [[António José da Silva]] - o Judeu), [[Teatro Nacional D. Maria II]] (''Freud! Feche a Porta'', de [[Terry Johnson]]), [[Expo98]] (''Delírios e Outras Flores'', de de Raymond Devos e Paulo Matos) e na [[Culturgest]] (''E Agora Outra Coisa'', de [[Luísa Costa Gomes]]).
 
Tem desenvolvido iniciativas nas áreas do Ensino de Teatro e da Produção e Gestão de acontecimentos culturais e de animação urbana. Fundador, encenador e gerente da ''Arsenal D’ Arte'', sociedade que tem como objectivo o Apoio à Criação Artística. Fez a concepção, gestão e programação do edíficio Mãe d’Água, em Lisboa, de 1991 a 1994. É desde 1990 colaborador regular da Câmara Municipal de Lisboa na área da cultura.
 
''Guerras de Alecrim e Manjerona'', obra de [[António José da Silva]] (o Judeu) é a sua mais recente encenação ([[Teatro Nacional D. Maria II]], 2006).
Como Ator:
*A Banqueira do Povo .... Dr. Faria
*Desencontros .... Mario Pereira
*"Primeiro Amor" .... Eugénio Silva
*"Polícias" .... Jorge
*"Filhos do Vento" .... Tenente Raul
*"Ballet Rose - Vidas Proibidas" .... Garcia
*"Os Lobos" .... Pierre
*"Jornalistas" .... Martim Ribeiro
*"A Hora da Liberdade" .... Hugo dos Santos
*"Conde de Abranhos" .... Alípio Abranhos
*"Esquadra de Polícia" .... Sarmento
*"A Senhora das Águas" .... Simão Moreira das Neves
*"O Olhar da Serpente" .... André Vasconcelos
*"Olá Pai" .... Pediatra
*"Inspector Max" .... Duarte Peres /Vitorino
*"Morangos Com Açúcar" .... Mário Batista
*"Jura" .... Miguel Pinto
*"Floribella" .... Médico
*"Chiquititas" .... Adriano
*"Ilha dos Amores" .... Costa
*"Casos da Vida" .... Dr. Jaime Miranda /Henrique
*"Rebelde Way" .... Fernando Vasconcelos
*"Sentimentos" .... Luís
[[Categoria:Atores de Portugal]]
[[Categoria:Encenadores de Portugal]]
20 060

edições