Abrir menu principal

Alterações

39 bytes adicionados ,  11h37min de 17 de janeiro de 2012
 
== O Palácio na actualidade==
Após a [[Implantação da República Portuguesa|proclamação da república]], em [[1910]], o Palácio de Vila Viçosa, bem como todos os bens da Casa de Bragança, permaneceram na posse do Rei D.Manuel II, por serem bens familiares do Rei e não do Estado. Em [[1933]], na sequência das disposições testamentárias de D.Manuel II (falecido em [[1932]]), o Palácio integrou a [[Fundação da Casa de Bragança]], que abriu as suas portas ao público, como museu. Nessa época o Paço recebeu ainda grande parte dos bens móveis, obras de arte e a preciosa biblioteca do rei exilado (provenientes da residência de [[Londres]]).
 
O Palácio apresenta uma grande colecção de obras de arte (pintura, mobiliário, escultura, etc..), sendo particularmente nobres as salas do primeiro piso, de que são exemplos as Salas da Medusa, dos Duques (com retratos de todos os duques até ao século XVIII) no tecto) e de Hércules, muitas delas enobrecidas com belíssimos fogões de sala de mármore esculpido. Permanecem particularmente vivas no palácio as memórias dos dois últimos reinados (fruto da especial predilecção que por ele tiveram os soberanos), como se pode observar nos aposentos régios e nos inúmeros exemplares da obra artística do rei D.Carlos (aguarelas e pastel). A cozinha apresenta uma das maiores colecções de baterias de cozinha, em cobre. São ainda de realçar a Biblioteca (com exemplares bastante preciosos) e a armaria. Nas antigas cocheiras está instalada uma secção do [[Museu Nacional dos Coches]], onde entre outras carruagens, se pode admirar o landau que transportava a Família Real no dia do [[regicídio]].
339

edições