Diferenças entre edições de "Helmuth von Moltke"

8 bytes adicionados ,  22h29min de 9 de março de 2014
→‎A Teoria de Guerra de Moltke: Pequenas correções de texto.
(A palavra correta é 'alistou-se' e não 'alisou-se'. Apenas um erro de digitação.)
(→‎A Teoria de Guerra de Moltke: Pequenas correções de texto.)
 
== A Teoria de Guerra de Moltke ==
Diferentemente da disciplina de [[Clausewitz]], que teorizava a guerra na tentativa de uma compreensão geral de sua [[natureza]] e de [[Antoine-Henri Jomini|Jomini]], que desenvolveu um sistema de regras, Moltke estruturava sua particular estratégia de adaptar os fins e meios, e desenvolveu os métodos de [[Napoleão]] de acordo com as diferentes condições de seu tempo. Ele foi o primeiro a reconhecer o grande poder defensivo das armas modernas e inferiu que um ataque envolvente se tornou mais formidável do que a tentativa de transpor o ''front'' inimigo.
 
Moltke ponderou as táticas de [[Napoleão]] na [[Batalha de Bautzen]], quando o [[imperador]] trouxe o [[corpo-de-exército]] de [[Michel Ney]], de uma grande distância, vindo contra o flanco dos aliados, com o intento de uni-lo asa suas tropas antes da batalha; e ainda elaborou um estudo da ação combinada dos aliados na [[Batalha de Waterloo]].
 
Ao mesmo tempo Moltke desenvolvia estudos sobre as marchas e logística de um [[exército]]. Levantou questões como a dificuldade de se alimentar tropas estacionadas na mesma área. Segundo suas inferências a essência da estratégia reside nos arranjos de separação das tropas para marchar e sua concentração durante a batalha. A fim de obter uma grande maleabilidade, o exército deveria ser distribuído em tropas separadas, cada uma sob comando autorizado a regular os seus movimentos e ação, sujeitados as instruções de um comandante-em-chefe com relação à direção e propósito das operações.
A principal [[tese]] de Moltke é que a [[estratégia]] militar tem de ser concebida como um sistema de opções desde os primórdios da planejabilidade da operação militar. Como resultado, ele considerava que a principal tarefa das lideranças militares consistia na exaustiva preparação de todas as possíveis conseqüências. Sua tese pode ser resumida em duas afirmações, uma famosa e a outra nem tanto, traduzidas em português como: "Nenhum plano de batalha sobrevive ao contato com o inimigo" e "Guerra é uma questão de conveniência".
 
Entretanto, como pode ser visto das descrições de seus planos para a guerra contra a [[Áustria]] e contra a [[França]], seu planejamento para a guerra era extremamente detalhado e levava em consideração centenas de variáveis. É um erro pensar emque Moltke pensava que planos de guerra eram de nenhum uso (o que uma simples leitura de "Nenhum plano de batalha sobrevive ao contato com o inimigo" pareceria indicar).
 
Foi com Moltke que se originou o useuso das cores azul para forçaforças amigas e vermelho para as forçaforças hostis.
 
== Honrarias ==
33

edições