Abrir menu principal

Alterações

463 bytes adicionados, 01h20min de 19 de agosto de 2014
=== Reformas pré-Tridentinas ===
[[Ficheiro:Meirelles-primeiramissa2.jpg|thumb|esquerda|<center>Primeira Missa celebrada no [[Brasil]], pré-[[Concílio de Trento|Tridentina]].<center>]]
No final do século VIII, [[Carlos Magno]] ordenou que o rito romano da missa fosse utilizado em todos os seus domínios. Porém, alguns elementos do [[Rito galicano]], mais antigo, se fundiram a ele no norte dos [[Alpes]] e o mito misto resultante foi introduzido em Roma por influência dos imperadores depois de Carlos. A influência gália é responsável pela introdução no rito romano de cerimônias dramáticas e simbólicas, como a benção das velas, cinzas, ramos e muito do ritual da [[Semana Santa]]<ref>{{cite web|url=http://www.liturgica.com/html/litWLCarol.jsp|title=The Franks Adopt the Roman Rite|publisher=Liturgica|accessdate=January 31, 2014}}</ref>.
Entre os tempos de São [[Gregório Magno]] e a promulgação da Bula ''[[Quo Primum Tempore]]'' em 1570, sob diversas influências, especialmente galicanas, várias cerimônias espetaculares e simbólicas são introduzidas, e.g. a bênção das velas na Festa da Purificação da Virgem ([[1º de janeiro]]), a imposição das cinzas na Quarta-feira de Cinzas, a Procissão com Palmas no Domingo de Ramos e muitos rituais da [[Semana Santa]].
 
A recitação do "[[Credo]]" (o [[Credo Niceno]]) depois da [[Evangelho (liturgia)|leitura do Evangelho]] é atribuída à influência do [[imperador do Sacro Império Romano-Germânico|imperador]] [[Henrique II (imperador do Sacro Império Romano-Germânico)|Henrique II]] (r. 1002-1024). A influência gália explica ainda prática de [[incenso|incensar]] pessoas, introduzida no século XI (ou XII); ''"antes dessa época, [[incenso]] era queimado apenas durante as [[procissões]] (a entrada e procissão do Evangelho)"''<ref>{{1913CE|The First Apology}}</ref>. Orações privadas ditas pelo padre antes da [[Eucaristia]] eram outra novidade. Por volta do século XIII, um elaborado ritual e orações adicionais de origem franca foram adicionadas ao [[ofertório (liturgia)|ofertório]], durante o qual a única oração que o padre dizia em épocas anteriores era o "[[segredo (liturgia)|segredo]]"; estas orações variaram consideravelmente até serem fixadas por Pio V em 1570. O papa também introduziu as "orações ao pé do altar", antes ditas principalmente na [[sacristia]] ou durante a procissão até o altar como parte da preparação do padre, e, também pela primeira vez, tudo o que segue o ''"[[Ite missa est]]"'' em sua edição do [[Missal Romano]]. Edições posteriores abreviaram esta parte omitindo o "Cântico dos Três Jovens" e o [[Salmo 150]]; outras orações seguiam que, na edição de Pio V, o padre deveria dizer enquanto deixava o altar{{Sfn|Sodi|Triacca|1998|pp=291–92}}.
A Missa Romana ganha, por vezes, depois do Evangelho, uma leitura [[Antigo Testamento|veterotestamentária]] (tanto profética quanto histórica) e uma [[Novo Testamento|neotestamentária]] (Epístolas dos [[Apóstolos]] ou [[Atos dos Apóstolos]]). Um Gradual é inserido entre elas.
 
É atribuída à influência do [[Henrique II, Sacro Imperador Romano|Sacro Imperador Romano Henrique II]] (1002-1024) a recitação do [[Credo]], após a Proclamação do Evangelho. O Rito da Elevação do Corpo e Sangue foi introduzido para combater a heresia de [[Berengário de Tours]] (998-1088) contra a presença real de Cristo na Comunhão. Até o século XI ou XII, incensava-se, somente, durante a Procissão de Entrada e a Proclamação do Evangelho; começou-se, então, a incensar o Celebrante e a Assembléia. As Orações Próprias do sacerdote antes da Comunhão são outra inovação do período. Rumo ao século XIII, foi adicionado ao ofertório, onde previamente a única oração que o [[padre]] dizia era a Secreta, um ritual elaborado e orações públicas adicionais.<ref>[http://www.liturgica.com/html/litWLReform.jsp?hostname=null#Reasons Razões para as Reformas da Missa {{en}}]</ref><ref>[http://www.newadvent.org/cathen/09790b.htm Liturgia da Missa {{en}}]</ref>
 
Entre os séculos IX e XIII, um papel de crescente importância dada ao sacerdote na liturgia, junto à necessidade prática de unir integralmente os textos da missa, levou à formação plena de um Missal.<ref>(cf. E. Palazzo, Histoire des livres liturgiques, Paris, 1993, p. 124-127)</ref> Até o [[Concílio de Trento]], "a variedade de costumes e rituais diocesanos era sem limites".<ref>(N.-M. Denis-Boulet, dans L'Église en prière, 1961, p. 299-305, ici p. 303)</ref> Mas o surgimento das ordens mendicantes ([[franciscano]]s e [[Ordem dos Pregadores|dominicano]]s) irá ampliar a tendência à uniformidade litúrgica já iniciado pelas ordens monásticas centralizadas do século XII (especialmente [[cisterciense]]s e [[cartuxo]]s). Essas ordens ou adotavam e adaptavam os ritos locais por onde passavam ou transmitiam nestes locais os seus ritos de origem. O enorme sucesso dos franciscanos, que adotaram o rito da Cúria Papal, em meados do século XIII, levou à divulgação deste por toda a cristandade. No entanto, o Missal da Cúria, decretado para a [[Diocese de Roma]], pelo [[Papa Nicolau III]] em [[1277]], não será obrigatório para as demais localidades.