Diferenças entre edições de "Disciplina"

2 427 bytes adicionados ,  16h03min de 12 de julho de 2015
sem resumo de edição
m (Foram revertidas as edições de 200.181.147.24 para a última revisão de Erico Tachizawa, de 20h58min de 12 de abril de 2015 (UTC))
== Disciplinas obrigatórias, eletivas e optativas ==
Os cursos de [[nível superior]] compõe-se de disciplinas obrigatórias (isto é, que devem ser cursadas obrigatoriamente pelo aluno) e de disciplinas optativas ou eletivas (que são escolhidas livremente pelo aluno).<ref>''Faculdade de São Vicente''. Disponível em http://www.fsv.edu.br/wp-content/uploads/2013/04/Regulamento-Disciplinas-Eletivas-e-Optativas-2011.pdf. Acesso em 12 de abril de 2015.</ref>
 
== Disciplinas como campos de saber ==
Como campos específicos de saber, as disciplinas se referem aos mais diversos âmbitos de produção de conhecimento ou campos de práticas, muitas delas também inseridas como cursos de [[nível superior]]. Neste sentido mais geral, podem ser consideradas disciplinas âmbitos de estudo como a História, a Geografia, Antropologia, Sociologia - para mencionar disciplinas relacionadas à grande área das [[ciências humanas]], ou como a Física, Química, Medicina, Engenharia, Biologia, Oceanografia e inúmeras outras, pertinentes às chamadas [[ciências exatas]] e [[ciências naturais]]. Tal como assinala José D'Assunção Barros em um artigo intitulado "Disciplinas: entendendo como funcionam os campos de saber", todas as disciplinas são históricas, no sentido de que foram inventadas pelos seres humanos e precisam ser constantemente reinventadas para continuarem existindo. Segundo o autor, "existem inúmeras dimensões reciprocamente implicadas para a formação e continuidade de uma disciplina: a produção de instâncias teóricas e metodológicas, a constituição de uma linguagem comum entre os seus praticantes, a definição e constante redefinição de seus objetos de estudo, uma singularidade que as diferencia de outros saberes, uma complexidade gradual interna que termina por gerar novas modalidades no interior da disciplina, e, por fim, o mais importante: a rede humana que a constitui este ou aquele campo de saber em especial"(BARROS, 2011, p.254-265). Quando cada um destes aspectos está bem desenvolvido, tem-se uma disciplina bem constituída, o que se reflete frequentemente em outros desdobramentos, como a formação de uma comunidade científica partilhada pelos diversos praticantes do campo disciplinar, a inserção do campo no âmbito dos cursos de graduação, a fundação e manutenção de revistas científicas especializadas no campo, a ocorrência constante de congressos frequentados pelos praticantes do campo disciplinar em questão, a criação de instituições que representam os profissionais do campo de saber, e assim por diante. <ref>''BARROS, José D'Assunção. Uma Disciplina: entendendo como funcionam os diversos campos de saber. Opsis, vol.11, n°1, 2011, p.252-270''. Disponível em http://www.revistas.ufg.br/index.php/Opsis/article/viewFile/11246/9500. Acesso em 11 de julho de 2015.</ref>
{{portal-educação}}
 
{{portal-educação}}
{{esboço-educação}}
Utilizador anónimo