Diferenças entre edições de "António Ferreira"

56 bytes adicionados ,  02h46min de 8 de março de 2016
Adicionei ligações para outras páginas da wikipédia.
m (Robô: Alteração da categoria redireccionada Alumni da Universidade de Coimbra para Alunos da Universidade de Coimbra)
(Adicionei ligações para outras páginas da wikipédia.)
|assinatura =
}}
'''Antonio Ferreira''' ([[Lisboa]], [[1528]] - Lisboa, [[29 de novembro]] de [[1569]]) foi um [[escritor]] e [[Humanismo|humanista]] [[Portugal|português]]. É considerado um dos maiores [[poeta]]s do [[classicismo]] [[renascimento|renascentista]] de [[língua portuguesa]], conhecido como "o [[Horácio]] português".
 
É considerado um dos maiores poetas do classicismo [[renascimento|renascentista]] de [[língua portuguesa]], conhecido como "o [[Horácio]] português".
 
==Biografia==
Era filho de Martim Ferreira, escrivão de Fazenda de D.dom [[Jorge de Lencastre]], [[duque de Coimbra]], e de Mexia Fróis Varela. Em sua educação, conviveu com os filhos do duque e com pessoas de grande relevância [[Nobreza|nobiliárquica]], administrativa e literária.
 
Frequentou o curso de Humanidades e Leis na [[Universidade de Coimbra]], onde se doutorou em [[Cânones]]. Foi temporariamente professor na mesma Universidade.
Parece ter-se enamorado, em Coimbra, de uma senhora de família nobre, de apelido Serra, que evoca veladamente em algumas de suas poesias.
 
Desposou, em [[1556]], D.dona Maria Pimentel, senhora de [[Torres Novas]], que veio a falecer no terceiro ano de casamento.
 
Desposou, em segunda núpcias, em [[1564]], D. Maria Leite, natural de [[Lamas de Orelhão]], no concelho de [[Mirandela]], local onde recolheu as informações para a sua "História de Santa Comba dos Valles", sobre a [[Lenda de Santa Comba dos Vales]].
 
Em [[1567]], foi nomeado [[desembargador]] do [[Tribunal da Relação]] de Lisboa.
 
Faleceu na mesma cidade, vitimavítima de [[peste]], deixando dois filhos.
 
==Obra==
O seu filho, [[Miguel Leite Ferreira]], publicou postumamente os seus poemas sob o título de ''Poemas lusitanos'' em Lisboa ([[1598]]) e as suas [[comédia]]s apareceram em [[1621]] junto com as de Francisco Sá de Miranda.
 
A sua obra mais conhecida é uma [[tragédia]], "''[[A Castro]]''" ou "''[[Tragédia de Inês de Castro]]''", de inspiração clássica em cinco actos, na qual aparece um [[coro]] [[Grécia|grego]], tendo sido escrita em verso polimétrico. O tema, os amores do príncipe D.dom [[Pedro I de Portugal|Pedro de Portugal]] pela nobre Inês de Castro e o assassinato desta em [[1355]] por razão de estado, por ordem do pai do príncipe, o rei [[Afonso IV de Portugal]], será, depois, um dos mais tratados pelos dramaturgos europeus. Esta tragédia só foi impressa em [[1587]].
 
Muita da sua obra está incluída na colecçãocoleção "''[[Poemas Lusitanos]]''", espécie de [[coletânea|colectânea]] de "[[obra completa]]".
 
Foi, ainda, autor de "''História de Santa Comba dos Vales''", primeiro registo da [[lenda de Santa Comba dos Vales]].
 
==Ligações externas==