Abrir menu principal

Alterações

14 bytes adicionados, 14h34min de 8 de maio de 2016
m
[[Ficheiro:Pauwels - Camões.jpg|thumb|250px|Andries Pauwels: Busto de Camões, século XVII.]]
 
A produção de Camões divide-se em três géneros: o lírico, o épico e o teatral. A sua obra lírica foi desde logo apreciada como uma alta conquista. Demonstrou o seu virtuosismo especialmente nas canções e [[elegia]]s, mas as suas [[redondilha]]s não lhes ficam atrás. De facto, foi um mestre nesta forma, dando uma nova vida à arte da [[Glosa (poema)|glosa]], instilando nela espontaneidade e simplicidade, uma delicada ironia e um fraseado vivaz, levando a poesia cortesã ao seu nível mais elevado, e mostrando que também sabia expressar com perfeição a alegria e a descontração. A sua produção épica está sintetizada n{{'}}''Os Lusíadas'', uma alentada glorificação dos feitos portugueses, não apenas das suas vitórias militares, mas também a conquista sobre os elementos e o espaço físico, com recorrente uso de alegorias clássicas. A ideia de um épico nacional existia no seio português desde o século XV, quando se iniciaram as navegações, mas coube a Camões, no século seguinte, materializá-la. Nas suas obras dramáticas procurou fundir elementos nacionalistas e clássicos.<ref name="Britannica">[http://www.britannica.com/EBchecked/topic/91028/Luis-de-Camoes ''Luís de Camões'']. IN ''Encyclopædia Britannica Online''. 24 Apr. 2010</ref>
 
Provavelmente se tivesse permanecido em Portugal, como um poeta cortesão, jamais teria atingido a maestria da sua arte. As experiências que acumulou como soldado e navegador enriqueceram sobremaneira a sua visão de mundo e excitaram o seu talento. Através delas conseguiu livrar-se das limitações formais da poesia cortesã e as dificuldades por que passou, a profunda angústia do exílio, a saudade da pátria, impregnaram indelevelmente o seu espírito e comunicaram-se à sua obra, e dali influenciaram de maneira marcante as gerações seguintes de escritores portugueses. Os seus melhores poemas brilham exatamente pelo que há de genuíno no sofrimento expresso e na honestidade dessa expressão, e este é um dos motivos principais que colocam a sua poesia em um patamar tão alto.<ref name="Britannica"/>
4 006

edições