O Crime do Padre Amaro: diferenças entre revisões

Sem alteração do tamanho ,  22h51min de 24 de agosto de 2016
sem resumo de edição
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
| seguido_por = ''[[A Tragédia da Rua das Flores]]''
}}
{{Quadrocitação|Foi no domingo de Páscoa que se soube em Leiria, que o pároco da Sé, José Miguéis, tinha morrido de madrugada com uma apoplexia. O pároco era um homem sanguíneo e nutrido, que passava entre o clero diocesano pelo comilão dos comilões. Contavam-se histórias singulares da sua voracidade. O Carlos da Botica – que o detestava – costumava dizer, sempre que o via sair depois da sesta, com a face afogueada de sangue, muito enfartado:<br />– Lá vai a jiboia esmoer. Um dia estoura!<br />Com efeito estourou, depois de uma ceia de peixe – à hora em que defronte, na casa do doutor Godinho que fazia anos, se polcava com alarido. Ninguém o lamentou, e foi pouca gente ao seu enterro. Em geral não era estimado. (...)|''O Crime do Padre Amaro (1875)''}}
'''''O Crime do Padre Amaro''''' é uma das obras do escritor português [[Eça de Queirós]] mais difundidas por todo o mundo. Trata-se de uma obra polêmica, que causou protestos da [[Igreja Católica]], ao ser publicada em [[1875]], em [[Portugal]] <ref>{{citar web|url=http://guiadoestudante.abril.com.br/estude/literatura/materia_409866.shtml|titulo=O Crime do Padre Amaro - resumo e análise da obra de Eça de Queiroz|autor=[[Guia do Estudante]]|data=|publicado=[[Editora Abril]]|acessodata=14-12-2010}}</ref>.
 
Esta obra é mais um documento humano e social do país e da sua época escrito com a maestria de Eça de Queirós. É também a primeira realização artística do [[realismo]] português <ref>{{citar web|url=http://www.algosobre.com.br/resumos-literarios/o-crime-do-padre-amaro.html|titulo=O Crime do Padre Amaro, Resumos Literarios|autor=Algo Sobre|data=|publicado=|acessodata=14-12-2010}}</ref>.
 
==Enredo==
Utilizador anónimo