Diferenças entre edições de "Paliativismo"

102 bytes adicionados ,  01h39min de 8 de novembro de 2016
→‎História: Acrescentando referência à informação previamente por mim inserida.
(→‎História: Adicinando referência)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
(→‎História: Acrescentando referência à informação previamente por mim inserida.)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
 
Nos [[Estados Unidos]], o movimento passou de voluntário, melhorando os cuidados a pessoas que morriam sozinhas, isoladas ou em [[Hospital|hospitais]], para um significante componente do sistema de saúde. Em 2005, mais de 1,2 milhão de pessoas e suas famílias receberam tratamento paliativo. Esse é o único tratamento cujos benefícios do [[Medicare]] inclui remédios, equipamento médico e assistência em tempo integral. A maioria dos cuidados é feita na casa do paciente. É também disponível em diversos ambientes como, casas de [[enfermagem]], [[Prisão|prisões]], hospitais.
Na década 1970, o encontro de Cicely Saunders com Elisabeth Klüber-Ross, nos Estados Unidos, fez com que o Movimento Hospice também crescesse naquele país. <ref>PESSINI, L. Distanásia: até quando investir sem agredir? Bioética, v. 4, p. 31-43, 1996.</ref>Desde então, tem havido um intenso aumento no número de programas, mais de 1200 atualmente. Aproximadamente, 55% dos hospitais com mais de 100 leitos possuem um programa. Nos hospitais, o funcionamento dos cuidados paliativos pode ser caro. Requer tempo e integração de vários profissionais. Além disso, os pacientes podem não ter [[seguro]] adequado ou quantia em dinheiro suficiente para cobrir os custos. Assim, estratégias para financiamento de programas de cuidados paliativos se concentram em cortar custos hospitalares, garantindo renda.<ref>[http://en.wikipedia.org/wiki/Palliative_care Wikipédia inglesa]</ref>
 
==Ver também==
4

edições