Diferenças entre edições de "Flávio Rocha"

211 bytes adicionados ,  21h08min de 10 de março de 2017
sem resumo de edição
Em 1990, com 72.406 votos, Flávio Rocha é reeleito deputado federal para mais 4 anos de mandato. Em 1992, de volta às fileiras do [[Partido Liberal (Brasil)|PL]], votou a favor do processo de impeachment do presidente [[Fernando Collor de Mello|Fernando Collor]].
 
Em abril de 1994, o [[Partido Liberal (Brasil)|PL]] lançou a pré-candidatura de Flávio, que superou o brigadeiro [[Ivan Frota]]. Em agosto de 1994, Flávio, acusado de envolvimento no "escândalo dos bônus eleitorais", renunciou<ref>{{Citar web|url=http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/8/09/caderno_especial/14.html|titulo=Folha de S.Paulo - Flávio Rocha aponta boicote - 9/8/1994|acessodata=2017-03-10|obra=www1.folha.uol.com.br}}</ref> em favor de [[Fernando Henrique Cardoso]]. Seu vice, Jadiel Loredo Júnior, também deixou a disputa. Tentou ser suplente de senador, na coligação de [[Lavoisier Maia Sobrinho|Lavoisier Maia]], também apoiado por Fernando Henrique e [[Vivaldo Costa]], mas desistiu. Em fevereiro de 1995, encerrou sua carreira política.<ref>[http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/flavio-gurgel-rocha Biografia de Flávio Rocha]. FGV</ref> Permaneceu filiado ao PL até 2002, quando desligou-se completamente do partido, segundo os registros do TSE. O afastamento de Flávio Rocha foi atribuído, segundo alguns jornais, a pressões de seu pai Nevaldo Rocha, que havia pedido a seu filho para que dedicasse apenas à presidência da [[Lojas Riachuelo|Riachuelo]], cargo que o ex-deputado exerceria a partir de então.
 
Porém, o [[Jornal do Brasil]] divulgou, em fevereiro de 2004, que Flávio planejava disputar o Senado nas [[Eleições estaduais no Rio Grande do Norte em 2006|eleições de 2006]], mas a candidatura não saiu do papel.
Utilizador anónimo