Diferenças entre edições de "Datação por radiocarbono"

6 bytes adicionados ,  21h04min de 29 de setembro de 2017
m
Corrigida ligação interna
m (Corrigida ligação interna)
 
== Métodos de calibração ==
As datas de radiocarbono em, anos anos '''A'''ntes do '''P'''resente - AP, são calibradas para dar datas do [[calendário]]. Existem curvas de calibração padrão disponíveis com base na comparação de datas de radiocarbono de amostras que podem ser datados de forma independente por outros métodos, como a análise do número de anéis de crescimento de árvores ([[dendrocronologia]]), sedimentos oceânicos profundos, lago varves sedimentos , amostras de [[Coral|corais]] e [[espeleologia|espeleotemas]] (depósitos da caverna).
 
As curvas de [[calibração]] podem divergir significativamente de uma linha reta, a correspondência linear das datas de radiocarbono não calibrados (por exemplo , traçadas num gráfico ou subtrair datas para dar tempo decorrido) é susceptível de dar resultados enganosos. Existem divergências características nas curvas, como por exemplo o período de {{fmtn|11000}} a {{fmtn|10000}} anos de radiocarbono AP, que se acredita estar associada com a mudança de circulação do mar durante o período Dryas recente. Ao longo do período histórico (de 0 a {{fmtn|10000}} anos AP), a largura média da incerteza de datas calibradas foi estimada em 335 anos - em regiões bem comportados da curva de calibração a largura de incerteza diminuída para cerca de 113 anos, enquanto que em regiões mal definidas aumentou para um máximo de 801 anos. Significativamente, nas regiões mal comportados da curva de calibração , aumentar a precisão das medições não tem um efeito significativo no aumento da exactidão das datas. <ref>Estes resultados foram obtidos a partir de uma análise Monte Carlo calibração medições de diversos simulados precisão usando a versão 1993 da curva de calibração. A largura da incerteza representa um 2σ incerteza (ou seja, uma probabilidade de 95% de que a data será exibida entre esses limites). {{citar periódico|último =Niklaus |primeiro =T. R. |último2 =Bonani |primeiro2 =G. |último3 =Suter |primeiro3 =M. |último4 =Wölfli |primeiro4 =W. |título=Systematic investigation of uncertainties in radiocarbon dating due to fluctuations in the calibration curve |periódico=Nuclear Instruments and Methods in Physics Research |volume=92 |ano=1994 |páginas=194–200 |doi= 10.1016/0168-583X(94)96004-6 |edição=B|bibcode = 1994NIMPB..92..194N }}</ref>
</ref>
 
Os resultados da pesquisa sobre varves no lago de Suigetsu, no [[Japão]], que foi anunciado em 2012, percebeu este objectivo. "Na maioria dos casos, os níveis de radiocarbono deduzida a partir dos registros marinhos e outros não foram muito mal. No entanto, ter um registro verdadeiramente terrestre nos dá uma melhor resolução e confiança na datação por radiocarbono", disse Bronk Ramsey. "Ele também permite-nos olhar para as diferenças entre a [[atmosfera]] e os [[oceanosoceano]]s e estudar as implicações para nossa compreensão do [[meio ambiente]] marinho, como parte do ciclo global do carbono". <ref>{{citar web|url=http://www.eurekalert.org/pub_releases/2012-10/aaft-jlr101212.php|título=Japanese lake record improves radiocarbon dating|publicado=AAAS|data=18 de outubro de 2012|acessodata=18 de outubro de 2012}}
</ref>