Abrir menu principal

Alterações

8 bytes adicionados, 11h24min de 8 de dezembro de 2017
Imagem
{{Info/Biografia/Wikidata}}
[[Ficheiro:Estêvão Silva, 1880, Retrato do Pintor Castagneto.jpg|miniaturadaimagem|
[[Giovanni Battista Castagneto|Giovanni Battista Felice Castagneto]] (Foto: Estevão Silva, 1880. "Retrato do pintor Castagneto)
]]
'''Giovanni Battista Felice Castagneto''' ([[Gênova]], [[27 de novembro]] de [[1851]] — [[Rio de Janeiro (cidade)|Rio de Janeiro]], [[29 de dezembro]] de [[1900]]), também conhecido como '''João Batista Castagneto,''' foi um [[marinheiro]], [[Pintura|pintor]], [[Desenho|desenhista]], [[professor]] e [[restaurador]] nascido na [[Itália]] que contribuiu imensamente com os trabalhos relacionados a paisagística brasileira, principalmente da questão marinha, do final do [[Século XIX]].
 
Na Itália, em sua cidade natal, [[Génova (província)|Gênova]], Giovanni Battista Castagneto era um [[marinheiro]]. Exercia a profissão com o pai, Lorenzo Di Gregorio Castagneto. Em 1874, junto ao seu pai, o futuro pintor chegou ao [[Rio de Janeiro]]. Sem muitas informações sobre sua aptidão para arte e afazeres na [[Itália]], ao chegar, seu pai o matriculou na [[Academia Belas Artes Rio de Janeiro|Academia Brasileira de Belas Artes]]. Como tinha uma idade avançada, falsificou seus documentos e conseguiu ingressar o aspirante nas aulas de [[desenho geométrico]], desenho figurativo e [[matemática]], no começo do curso.<ref name=":2">{{Citar periódico|ultimo=Cultural|primeiro=Instituto Itaú|titulo=Castagneto {{!}} Enciclopédia Itaú Cultural|url=http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa21306/castagneto|jornal=Enciclopédia Itaú Cultural|lingua=pt-br}}</ref>
 
Muitos estudiosos e contemporâneos do artista já declaravam seu talento e proatividade em melhorar e incrementar sua produção. Sua produção em relação às marinhas, ao mar, o barco e as pessoas foi objeto de estudo do pintor desde seus tempos.<ref name=":0">{{citar livro|título=O pintor do Mar|ultimo=LEVY|primeiro=Carlos Roberto Maciel|editora=Pinakotheke|ano=1980|local=Rio de Janeiro|páginas=|acessodata=}}</ref> Deixando claro seu amor e sua admiração pelo movimento e pelo ato de navegar, como indicado por Donato Mello Júnior, ao dizer que o pintor “produziu grande parte de sua obra embarcando numa canoa, pintando em fundo de caixas de charutos, sinal de sua pobreza”<ref name=":1">{{citar livro|título=A Arte Brasileira|ultimo=Duque|primeiro=Gonzaga|editora=Mercado de Letras|ano=1995|local=Campinas|páginas=|acessodata=}}</ref>, que fora criado com isso junto ao seu pai, Lorenzo. Em A Arte Brasileira, livro produzido pelo crítico Gonzaga Duque, em 1888, o autor escreveu: <blockquote>"Ele aprendeu consigo próprio. Arranjou uma caixa de tintas, comprou cartões e telas, alugou um bote e partiu para uma viagem à volta das nossas praias. Não quis saber de leis nem de regras. Precisava unicamente da natureza, da natureza vigorosa, para seus estudos de visu. Passava uma falua de velas enfunadas; e, febril, o punho ligeiro, a vista firme, esboçava-a num cartão, em três, quatro segundos. Uma onda corcoveava, contorcia-se, levantava-se rugindo, vinha abater-se às bordas da sua embarcação; pois bem, durante esse tempo os seus pincéis acompanhavam na tela o seu movimento, e quando ela abatia-se, os pincéis cessavam de trabalhar. A onda morria, no mar, fundindo-se com o grosso da água; mas, na tela, ficava viva, tumultuosa, arqueando o dorso, bramindo. Uma rajada de vento soprava de sudoeste: nuvens rolavam no céu; o mar cuspia. E quando à rajada sucedia a quietude, o artista tinha mais uma tela pronta.<ref name=":1" />" </blockquote>Nas aulas, Castagneto se destacava e chamava atenção de seus professores. Alguns deles como [[VictorFicheiro:Estêvão Meirelles]] e [[João Zeferino da Costa]]. ZeferinoSilva, em 18831880, oRetrato chamoudo para trabalhar nas obras de reforma da [[Igreja de Nossa Senhora da Candelária|Igreja da Candelária]]. Como assistente,Pintor Castagneto passou a melhorar suas aptidões e logo em seguida, em julho daquele ano, passou a dar aula de desenho em algumas escolas locais.<ref name=":1" /><ref name=":0" />jpg|miniaturadaimagem|
[[Giovanni Battista Castagneto|Giovanni Battista Felice Castagneto]] (Foto: Estevão Silva, 1880. "Retrato do pintor Castagneto)
|esquerda]]Nas aulas, Castagneto se destacava e chamava atenção de seus professores. Alguns deles como [[Victor Meirelles]] e [[João Zeferino da Costa]]. Zeferino, em 1883, o chamou para trabalhar nas obras de reforma da [[Igreja de Nossa Senhora da Candelária|Igreja da Candelária]]. Como assistente, Castagneto passou a melhorar suas aptidões e logo em seguida, em julho daquele ano, passou a dar aula de desenho em algumas escolas locais.<ref name=":1" /><ref name=":0" />
 
===Primeira exposição===
19

edições