Abrir menu principal

Alterações

7 545 bytes adicionados ,  05h16min de 19 de julho de 2018
Adicionado texto referenciado traduzido da Wikipedia inglesa
De acordo com Leszek Kołakowski, as leis da dialética na base do marxismo são fundamentalmente imperfeitas: algumas são "truísmos sem conteúdo marxista específico", outras "dogmas filosóficos que não podem ser provados por meios científicos", outras são apenas "absurdos". Algumas "leis" marxistas são vagas e podem ser interpretadas de maneira diferente, mas essas interpretações geralmente também se enquadram em uma das categorias de falhas mencionadas anteriormente.<ref>Kołakowski, Leszek (2005). Main Currents of Marxism. New York: W. W. Norton and Company. p. 909. ISBN 9780393329438.</ref>
 
O economista [[Thomas Sowell]] escreveu em 1985: <blockquote>O que Marx realizou foi produzir uma visão tão abrangente, dramática e fascinante que pudesse suportar inúmeras contradições empíricas, refutações lógicas e repulsões morais em seus efeitos. A visão marxista tomou a esmagadora complexidade do mundo real e fez as partes se encaixarem, de um modo que era intelectualmente estimulante e conferiu tal senso de superioridade moral que os oponentes poderiam ser simplesmente rotulados e dispensados como leprosos morais ou reacionários cegos. O marxismo foi - e continua sendo - um poderoso instrumento para a aquisição e manutenção do poder político.<ref>Sowell, Thomas Marxism Philosophy and Economics (William Morrow 1985) p. 218. ISBN - 978-0688064266</ref></blockquote>
 
Vladimir Karpovich Dmitriev, no seu livro "Economic Essays on Value, Competition and Utility" escrito em 1898<ref>V. K. Dmitriev, 1974 (1898), Economic Essays on Value, Competition and Utility. Cambridge: Cambridge Univ. Press</ref>, Ladislaus von Bortkiewicz em duas de suas obras escrita em 1906 e 1907<ref>Ladislaus von Bortkiewicz, 1952 (1906–1907), "Value and Price in the Marxian System", International Economic Papers 2, 5–60; Ladislaus von Bortkiewicz, 1984 (1907), "On the Correction of Marx’s Fundamental Theoretical Construction in the Third Volume of Capital". In Eugen von Böhm-Bawerk 1984 (1896), Karl Marx and the Close of his System, Philadelphia: Orion Editions</ref><ref>M. C. Howard and J. E. King. (1992) A History of Marxian Economics: Volume II, 1929–1990, chapter 12, sect. III. Princeton, NJ: Princeton Univ. Press.</ref> e críticos subsequentes alegaram que a 'Teoria do Valor-Trabalho' e a lei de Karl Marx da 'Tendência da Taxa de Lucro a Cair' são internamente inconsistentes. Em outras palavras, os críticos alegam que Marx tirou conclusões que na verdade não seguem suas premissas teóricas. Uma vez que esses erros sejam corrigidos, a conclusão de Marx de que Preço Agregado e Lucro são determinados por - e igual a - Valor Agregado e Mais-valia não se aplica mais. Este resultado põe em causa a sua teoria de que a exploração dos trabalhadores é a única fonte de lucro.<ref>M. C. Howard and J. E. King. (1992) A History of Marxian Economics: Volume II, 1929–1990, 12, sect. III. Princeton, NJ: Princeton Univ. Press.</ref>
Críticos que alegam que Marx tem sido provado inconsistente incluem economistas marxistas e / ou [[Piero Sraffa|sraffianos]] antigos e atuais, como Paul Sweezy,<ref>Paul M. Sweezy, 1970 (1942), The Theory of Capitalist Development, p. 15. New York: Modern Reader Paperbacks</ref> Nobuo Okishio,<ref> Nobuo Okishio, 1961, "Technical Changes and the Rate of Profit," Kobe University Economic Review 7, pp. 85–99.</ref> Ian Steedman,<ref>Ian Steedman, 1977, Marx after Sraffa, pp. 202, 207. London: New Left Books</ref> John Roemer,<ref>John Roemer, Analytical Foundations of Marxian Economic Theory, p. 12. Cambridge: Cambridge Univ. Press, 1981</ref> Gary Mongiovi<ref>[https://web.archive.org/web/20071010135415/http://www.iwgvt.org/files/02-mongiovi.doc Vulgar Economy in Marxian Garb: A Critique of Temporal Single System Marxism], Gary Mongiovi, 2002, ''Review of Radical Political Economics'' 34:4, p. 393. "Marx cometeu vários erros ao elaborar sua teoria do valor e a taxa de lucro."</ref> e David Laibman,<ref> David Laibman, "Rhetoric and Substance in Value Theory" in Alan Freeman, Andrew Kliman and Julian Wells (eds.), ''The New Value Controversy and the Foundations of Economics'', Cheltenham, UK: Edward Elgar, 2004, p. 17</ref> que propõem que a teoria marxists seja fundamentado em suas versões corretas da economia marxiana e não na forma original em que Marx apresentou e desenvolveu em [[O Capital]].<ref>Andrew Kliman, Reclaiming Marx's "Capital": A Refutation of the Myth of Inconsistency, Lanham, MD: Lexington Books, 2007, p. 3 - ISBN: 978-0739118511</ref>
 
O historiador [[Paul Johnson]] escreveu: "A verdade é que mesmo a investigação mais superficial sobre o uso de evidências de Marx força a pessoa a tratar com ceticismo tudo o que ele escreveu que se baseia em dados factuais". Por exemplo, Johnson declarou: "A totalidade do capítulo VIII do livro ''O Capital'' é uma falsificação deliberada e sistemática para provar uma tese que um exame objetivo dos fatos mostrou ser insustentável".<ref>[https://www.academia.edu/12009844/Intellectuals_From_Marx_and_Tolstoy_to_Sartre_and_Chomsky_by_Paul_Johnson "Intellectuals From Marx and Tolstoy to Sartre and Chomsky by Paul Johnson"].</ref>
== Raymond Aron ==
 
== Supressão de direitos individuais ==
Alguns teóricos liberais argumentam que qualquer redistribuição de propriedade é uma forma de coerção<ref>{{cite book|author=Ludwig Von Mises|title=''Human Action: A Treatise on Economics''|publisher=Martino Fine Books|year=2012|ISBN-13: 978-1614273547}}</ref>.
 
Vários economistas argumentaram que um estado socialista, por sua própria natureza, corroeria os direitos de seus cidadãos. O economista americano [[Milton Friedman]] argumentou que, no socialismo, a ausência de uma economia de mercado livre levaria inevitavelmente a um regime político autoritário. A visão de Friedman também foi compartilhada por [[Friedrich Hayek]], que ambos acreditavam que o capitalismo é uma pré-condição para a liberdade florescer em um Estado-nação.<ref>{{citar livro|autor=Friedrich Hayek|titulo=The Road to Serfdom|editora=University Of Chicago Press|ano=1944|ISBN=0-226-32061-8}}</ref><ref>{{cite book|author=Bellamy, Richard|title=The Cambridge History of Twentieth-Century Political Thought|publisher=Cambridge University Press|year=2003|isbn=0-521-56354-2|page=60}}</ref>
 
== Implementação do comunismo ==
Os [[Anarquismo|anarquistas]] sempre argumentaram que o comunismo marxista inevitavelmente levaria à coerção e ao domínio do Estado. [[Mikhail Bakunin]] acreditava que os regimes marxistas levariam ao "controle despótico da população por uma nova e não numerosa aristocracia".<ref name="Statism and Anarchy"/> Mesmo que essa nova aristocracia tivesse se originado entre as fileiras do proletariado, Bakunin argumentou que seu recém-descoberto poder mudaria fundamentalmente sua visão da sociedade e, assim, os levaria a "olhar com inferioridade para as simples massas trabalhadoras"<ref name="Statism and Anarchy">{{cite web|last=Bakunin|first=Mikhail|authorlink=Mikhail Bakunin|title=Statism and Anarchy|publisher=Marxists Internet Archive|url=http://www.marxists.org/reference/archive/bakunin/works/1873/statism-anarchy.htm|accessdate=19 de julho 2018}}</ref>.
 
== Economia ==
A economia marxista tem sido criticada por várias razões. Alguns críticos apontam para a análise marxista do capitalismo, enquanto outros argumentam que o sistema econômico proposto pelo comunismo é impraticável.<ref>Shleifer, Andrei, and Robert Vishny. ''Pervasive shortages under socialism''. No. 3791. National Bureau of Economic Research, 1991.</ref><ref>Stringham, Edward Peter. "Kaldor-Hicks efficiency and the problem of central planning." (2001).</ref><ref>{{Cite news|url=https://www.washingtonexaminer.com/millennials-open-to-socialism-are-not-living-in-the-real-world|title=Millennials open to socialism are not living in the real world|date=2017-12-11|work=Washington Examiner|access-date=2018-05-08|language=en}}</ref> A [[Teoria do valor-trabalho]] é uma dos texto do marxismo mais comumente criticados.<ref>{{Cite news|url=https://marginalrevolution.com/marginalrevolution/2010/03/what-is-the-biggest-flaw-in-the-labor-theory-of-value.html|title=What is the biggest flaw in the labor theory of value? - Marginal REVOLUTION|date=2010-03-30|work=Marginal REVOLUTION|access-date=2018-05-08|language=en-US}}</ref><ref>{{cite journal|last=Becker|first=Gary S.|year=1965|title=A Theory of the Allocation of Time|journal=The Economic Journal|publisher=Royal Economic Society|volume=75|issue=299|pages=493–517|doi=10.2307/2228949|issn=1468-0297|jstor=2228949|registration=y|via=[[JSTOR]]}}</ref><ref>{{Cite news|url=https://www.investopedia.com/terms/l/labor-theory-of-value.asp|title=Labor Theory Of Value|last=Staff|first=Investopedia|date=2010-06-24|work=Investopedia|access-date=2018-05-08|language=en-US}}</ref>
 
== Reduz incentivos ==
Alguns críticos do socialismo utópico ou igualitário argumentam que a divisão da renda reduz os incentivos individuais ao trabalho e, portanto, a renda deveria ser individualizada o máximo possível.<ref>Zoltan J. Acs & Bernard Young. ''Small and Medium-Sized Enterprises in the Global Economy''. University of Michigan Press, p. 47, 1999.</ref> Críticos do socialismo argumentam que em qualquer sociedade em que todos detenham riqueza igual não haveria incentivo material para o trabalho porque não se receberia recompensa por um trabalho bem feito.
 
O economista [[John Kenneth Galbraith]] criticou as formas comunais de socialismo que promovem o [[igualitarismo]] em termos de salários/compensações como irreais em suas suposições sobre a motivação humana:
 
<blockquote>Essa esperança, que a recompensa igualitária levaria a um nível mais alto de motivação, que se espalhou depois de Marx, foi mostrada pela história e pela experiência humana como irrelevante. Gerações de socialistas aprenderam isso com a sua decepção e, mais frequentemente, com a sua tristeza.bl<ref>John Kenneth Galbraith, ''The Good Society: The Humane Agenda'' (Boston, MA: Houghton Mifflin Co., 1996), pp. 59–60.</ref></blockquote>.
 
== Relevância ==
O marxismo tem sido criticado como irrelevante, com muitos economistas rejeitando seus princípios e suposições.<ref>{{Cite book|title=Marxism: Philosophy and Economics|last=Sowell|first=Thomas|publisher=William Morrow|year=1985|isbn=0688029639|location=|pages=220|}}</ref><ref>Leiter, B. (2002). Marxism and the continuing irrelevance of Normative Theory.</ref><ref>{{Cite news|url=https://newrepublic.com/article/117673/piketty-read-marx-doesnt-make-him-marx|title=Thomas Piketty Is Pulling Your Leg|last=Judis|first=John B.|date=6 de maio de 2014|work=The New Republic|access-date=2018-05-06|language=en-US}}</ref> Segundo [[George Stigler]], "os economistas que trabalham na tradição marxista representam uma pequena minoria de economistas modernos, e que seus escritos praticamente não têm impacto sobre o trabalho profissional da maioria dos economistas nas principais universidades de língua inglesa"<ref name="Stigler1732">{{cite journal|last=Stigler|first=George J.|authorlink=George Stigler|date=Dezembro de 1988|title=Palgrave's Dictionary of Economics|journal=Journal of Economic Literature|publisher=American Economic Association|volume=26|pages=1729–36|jstor=2726859|ref=harv|number=4}}</ref>. [[Robert Solow]], em uma revisão da primeira edição do [[The New Palgrave: A Dictionary of Economics]], criticou por enfatizar demais a importância do marxismo na economia moderna.
 
Marx foi um pensador importante e influente, e o marxismo tem sido uma doutrina com influência intelectual e prática. O fato é que, no entanto, os economistas mais sérios do idioma inglês consideram a economia marxista um beco sem saída irrelevante.<ref>{{Cite news|url=https://www.nytimes.com/1988/03/20/books/the-wide-wide-world-of-wealth.html|title=THE WIDE, WIDE WORLD OF WEALTH|last=Solow|first=Robert M.|date=1988|work=The New York Times|access-date=2018-05-06|language=en}}</ref>
 
Uma pesquisa nacionalmente representativa de professores norte-americanos em 2006 revelou que 3% deles se identificam como marxistas. A parcela sobe para 5% nas humanidades e é cerca de 18% entre os cientistas sociais.<ref>Gross, Neil, and Solon Simmons. "The social and political views of American professors." ''Working Paper presented at a Harvard University Symposium on Professors and Their Politics''. 2007.</ref>
 
== Outros intelectuais ==
Dentre os intelectuais proeminentes que criticam o marxismo encontramos:
 
=== Raymond Aron ===
O intelectual francês [[Raymond Aron]] em sua obra [[O ópio dos intelectuais]] afirma que nenhuma outra doutrina criou no homem, como o marxismo, uma "ilusão da onipotência". Acreditava que o marxismo havia se tornado uma [[ideologia]] e, por isso, considerava-o "o ópio dos intelectuais".
 
Ainda sobre a questão cristã, Aron entendia que ''"o cristão nunca poderá ser um autêntico comunista, do mesmo modo que o comunista não pode crer em Deus ou no Cristo, porque a religião secular, animada por um ateísmo fundamental, declara que o destino do homem cumpre-se todo inteiro nesta terra. O cristão progressista esconde de si mesmo essa incompatibilidade"''.
 
=== Leslie Page ===
O historiador britânico Leslie Page publicou em [[1987]] o livro ''"Karl Marx e o exame crítico de suas obras"''.<ref>PAGE, Leslie R.; ''Karl Marx and Critical Examination of his Works''. Londres: Freedom Association, 1987.</ref> A obra cobre um período de cinquenta anos, de 1844-1894, e é baseada nas edições inglesas das ''"Marx/Engels Collected Works"'' (Obras Reunidas de Marx/Engels) e ''"Marx/Engels Selected Works"'' (Obras Selecionadas de Marx/Engels). Um segundo volume com o mesmo título foi publicado no ano [[2000]].<ref>PAGE, Leslie R.; ''Karl Marx and Critical Examination of his Works – Part 2''. Londres: Sentinel Publishing, 2000.</ref>
 
Inicialmente Page destaca o [[Manifesto Comunista]], a Mensagem do Comitê Central à Liga dos Comunistas (1850), e as publicações do ''Die Neue Rheinische Zeitung'' (Nova Gazeta Renana), publicado em [[Colônia (Alemanha)|Colônia]] a partir de 1 de junho de [[1848]] a 19 de maio de [[1849]]. Marx e Engels dirigiram o jornal, Marx sendo o seu redator-chefe. No artigo ''"Marx e a Nova Gazeta Renana"'' publicado em 1884 Engels declara ''"A composição editorial era simplesmente a ditadura de Marx"''. [[Lênin]] descreveu o jornal como ''"o mais belo e insuperável órgão do proletariado revolucionário"''{{carece de fontes|data=janeiro de 2018}}.
 
=== Eric Voegelin ===
=== O "Plano de guerra contra a democracia" ===
Na página 50 de ''"Karl Marx and Critical Examination of his Works"'' (1987) Leslie Page refere-se a obra ''"The Red Prussian: The Life and Legend of Karl Marx"'' do autor Leopold Schwarzschild publicado em 1947 nos Estados unidos e em 1948 na Grã-bretanha. Schwarzschild faz uma citação da Mensagem do Comitê Central à Liga dos Comunistas – 1850 (''"Mensagem"'').
 
Segundo Robert Payne, ''"Embora pouco conhecido e raramente estudado"'', a "Mensagem" é ''"um dos mais importantes e seminais do século XIX"'', ela ''"agiu como uma bomba que possuía um fusível atrasado, explodindo somente no século XX"''.
 
== Eric Voegelin ==
[[Eric Voegelin]] talvez seja um dos críticos mais severos de [[Karl Marx]]{{carece de fontes|data=janeiro de 2018}}. No seu livro ''"Reflexões Autobiográficas"'' relata que, induzido pela onda de interesse sobre a Revolução Russa de 1917, estudou ''"O Capital"'' de Marx e foi marxista entre agosto e dezembro de 1919. Porém, durante seu curso universitário, ao estudar disciplinas de teoria econômica e história da teoria econômica aprendera o que estava errado em Marx{{carece de fontes|data=janeiro de 2018}}.
 
Voegelin diz que Marx levanta questões que são impossíveis de serem resolvidas pelo "homem socialista". Também alega que Marx conduz a uma realidade alternativa, a qual não tem necessariamente nenhum vínculo com a realidade objetiva do sujeito. Segundo Voeglin, quando a realidade entra em conflito com Marx, ele descarta a realidade. <ref>{{citar livro|url=https://books.google.com.br/books?id=atGePgAACAAJ|título= Estudos de ideias políticas de Erasmo a Nietzsche|editora=Ática Press|data=1996|acessodata=2 de agosto de 2016|isbn=972617130X|autor= Voegelin, Eric}}</ref>
 
=== José Guilherme Merquior ===
No âmbito nacional, [[José Guilherme Merquior]] foi um dos grandes críticos do marxismo{{carece de fontes|data=janeiro de 2018}}. O [[diplomata]] membro da [[Academia Brasileira de Letras]] aponta que, o socialismo, em suas origens intelectuais, não era uma [[teoria política]] e sim uma [[teoria econômica]] que procurava reestruturar a indústria. O movimento foi se politizar com [[Karl Marx]], que fundiu a crítica do [[liberalismo econômico]] com a tradição revolucionária do comunismo.
 
Ainda de acordo com Merquior, Marx nunca valorizou os [[direitos civis]] e chegou a condená-los, vendo neles mero instrumento de exploração de classe. O [[marxismo]], em especial regimes comunistas, sempre refletiu esse menosprezo pelos direitos de expressão, profissão, associação, etc.<ref>{{citar web |url=http://www.buscalegis.ufsc.br/revistas/files/anexos/28162-28172-1-PB.html|titulo=SOCIALISMO E LIBERALISMO |acessodata=25 de dezembro de 2016}}</ref>
 
== Ver também ==