Diferenças entre edições de "Ferdinando Fuga"

4 bytes adicionados ,  01h13min de 31 de julho de 2018
sem resumo de edição
m (v1.43b - Corrigido usando WP:PCW (en dash ou em dash))
A pequena igreja de ''[[Santa Maria dell’Orazione e Morte]]'' (1733–7) foi um pequeno projeto realizado para a ''Compagna della buona morte'', cujo papel, desde 1538, tem sido oferecer um enterro decente para os cadáveres não reclamados de Roma. O próprio Fuga era membro da [[confraria]], que era proprietária de um cemitério nas margens do [[Tibre]], desaparecido no século XIX quando a ''[[Lungotevere]]'' foi construída. A igreja anterior, de 1575, foi demolida em 1733 e Fuga deu à nova uma planta [[elipse|elíptica]] coroada por uma [[cúpula]] elíptica. Na fachada, um [[frontão (arquitetura)|frontão]] triangular envolve um outro, segmentado, com as [[cornija]]s de ambos se projetando para frente no centro e nos cantos; pares de colunas estão nos estreitos recessos entre a grande abertura central e os cantos, que são destacados por pilastras empilhadas. [[Caveira (simbolismo)|Caveiras laureadas]] servem como suporte para frontão da porta.
 
Várias transformações foram realizadas para os parentes dos papa Corsini no ''[[Palazzo Riario alla Lungara]]'', que já havia sido adaptado para [[Cristina da Suécia|Cristina, rainha da Suécia]], no século anterior, rebatizado de ''[[Palazzo Corsini alla Lungara|Palazzo Corsini]]'' depois que Don Neri e Don Bartolomeu Corsini o compraram do duque Riario em 27 de julho de 1736 por {{formatnum|70000}} ''[[scudi]]''. Depois da morte de Cristina, em 1689, tanto a galeria de esculturas quanto a biblioteca dela foram esvaziadas e Fuga foi chamado para realizar as reformas para os irmãos Corsini, uma obra que se estendeu entre 1736 e 1758. Os irmãos mantiveram o quarto de Cristina intacto, exatamente como ela o deixou, e a fachada "urbana", de frente para a ''Piazza Fiammetta'', também teve que ser mantida inalterada. Porém, o peso da biblioteca deixou rachaduras nas [[abóbada]]s abaixo e as reformas só terminaram em 1738<ref>{{citar web|url = http://lineamenta.biblhertz.it:8080/Lineamenta/1033478408.39/1053349068.91/1074077897.54| autor = Holste| local = Roma| publicado = Istituto Nazionale per la Grafica, F.N. 13835| título = Projeto de Fuga para o Palazzo Corsini alla Lungara|língua = italiano}}</ref>. Fuga também trabalhou no jardim em frente do ''[[palazzo]]'', começando com a ala da biblioteca, de Neri Corsini. Entre 1751-3, Fuga adicionou um bloco central idêntico abrigando uma grande [[escadaria]] que se divide para as duas alas, iluminada por grandes janelas com vista para os [[parterre]]s do jardim, modificados e atualizados em 1741. As duas divisões se reuniam no [[pórtico]] do térreo. Nos interiores, Fuga conseguiu, de forma criativa, manter a separação entre as públicas das suítes residenciais.
 
''[[Sant'Apollinare alle Terme|Sant'Apollinare]]'' ({{ca.}} 1748) foi outra encomenda, assim como ''[[Gesù Bambino all'Esquilino]]'' (1736). Fuga completou ainda o ''[[Palazzo del Quirinale]]'', o edifício vizinho do ''"Segretario delle Cifre"'' e a ampla nova ala (''"Manica Lunga"'').