História da Alemanha após 1945: diferenças entre revisões

1 byte removido ,  22h13min de 12 de abril de 2019
o ponto
m (Foram revertidas as edições de 191.248.131.212 para a última revisão de Coltsfan, de 19h02min de 4 de março de 2018 (UTC))
Etiqueta: Reversão
(o ponto)
As relações entre os dois Estados alemães do pós-guerra mantiveram-se frias, até a política de aproximação com os países comunistas da Europa Oriental promovida pelo Chanceler ocidental [[Willy Brandt]] (''[[Ostpolitik]]''), nos anos 1970, cujo conceito principal era "Dois Estados alemães dentro de uma nação alemã". O relacionamento entre os dois países melhorou e, em setembro de 1973, as duas Alemanhas tornaram-se membros da [[Organização das Nações Unidas|ONU]].
 
Durante o verão de 1989, mudanças políticas ocorridas na Alemanha Oriental e na União Soviética permitiram a reunificação alemã. Alemães orientais começaram a emigrar em grande número para o lado ocidental, via [[Hungria]], quando o governo húngaro decidiu abrir as fronteiras com a Europa Ocidental. Milhares de alemães orientais ocuparam missões diplomáticas da Alemanha Ocidental em capitais do leste europeu. A emigração e manifestações em massa em diversas cidades pressionaram o governo da Alemanha Oriental por mudança, o que levou [[Erich Honecker]] a renunciar em outubro; em 9 de novembro de 1989, as autoridades alemãs orientais surpreenderam o mundo ao permitir que seus cidadãos cruzassem o [[Muro de Berlim]] e outros pontos da [[fronteira interna alemã]] e entrassem em [[Berlim Ocidental]] e na [[Alemanha Ocidental]] - centenas de milhares aproveitaram a oportunidade. O processo de reformas na Alemanha Oriental culminou com a [[reunificação da Alemanha]], em 3 de outubro de 1990.
 
Juntamente com a [[França]] e outros países europeus, a nova Alemanha tem exercido um papel de liderança nas [[União Europeia|instituições comunitárias europeias]]. É um dos principais defensores da [[União Económica e Monetária|união monetária]], de uma maior unificação nas áreas de política, defesa e segurança da Europa. O governo alemão expressou interesse em assumir um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas.
Utilizador anónimo