Arquitetura vernacular: diferenças entre revisões

Em 1964, a exposição ''Arquitetura sem Arquitetos'' foi apresentada no [[Museu de Arte Moderna (Nova Iorque)|Museu de Arte Moderna de Nova York]] por Bernard Rudofsky. Acompanhada por um livro com o mesmo título<ref>{{Citar livro|url=http://worldcat.org/oclc/66736675|título=Architecture without architects : a short introduction to non-pedigreed architecture|ultimo=Rudofsky, Bernard, 1905-1988.|data=2002|editora=University of New Mexico Press|isbn=0-8263-1004-4|oclc=66736675}}</ref>, incluindo fotografias a preto e branco de edifícios vernáculos em todo o mundo, a exposição foi extremamente popular. Foi Rudofsky quem primeiro fez uso do termo vernáculo num contexto arquitetônico, e trouxe o conceito aos olhos do público e da arquitetura convencional: "Por falta de um rótulo genérico chamar-lhe-emos vernacular, anónimo, espontâneo, indígena, rural, conforme o caso". No entanto, o leque de estudos sobre arquitectura vernacular desde a publicação do livro sugere que a caracterização de Rudofsky era limitada e problemática; de facto, muitas vezes a arquitectura vernacular ''não'' é anónima e é concebida de forma muito intencional, aprendida através de gerações de prática e baseada na disponibilidade de materiais particulares e profundamente afectada pelo clima (e, portanto, não "espontânea").
 
Depois do surgimento do termo na década de 1970, as considerações vernaculares têm desempenhado um cada vez maior papel nos projetos arquitetônicos, embora os arquitetos individuais tiramtirarem mensagens muito diferentes sobre os méritos da arquitetura vernácula.{{Referências}}
 
==Bibliografia==
827

edições