Sima Qian: diferenças entre revisões

1 byte removido ,  5 de março de 2020
m
pequenos ajustes
m (→‎Bibliografia: manutênção refs.)
m (pequenos ajustes)
|nacionalidade =Chinês
}}
'''Sima Qian''', '''Ssu-ma chi'ien''' ou '''司馬遷''' ([[145 a.C.]] — [[90 a.C.|90]] ou [[85 a.C.]]) foi um astrônomo, matemático e historiador [[China|chinês]] da dinastia Han do Oeste, considerado o primeiro grande historiador chinês.<ref>[http://www.britannica.com/EBchecked/topic/562143/Sima-Qian EncyclopediaEncyclopædia Britannica]</ref> Sendo filho de historiadores, Sima Qian fez inúmeras viagens com seus pais e acabou conhecendo diferentes lugares, realizando um esforço de interpretação do que via. Quando adulto foi promovido a funcionário da corte chinesa, escrevendo sua principal obra, o [[Registros do Historiador|Shiji]].
 
== Primeiros anos e educação ==
Depois de suas viagens, ele foi escolhido para ser um assistente do palácio governamental, sendo que suas funções eram inspecionar diferentes partes do país com o Imperador Han Wudi. Em 110 a. C., na idade de trinta e cinco anos, Sima Qian foi enviado para o oeste em uma expedição militar contra algumas tribos "bárbaras". Naquele ano, seu pai adoeceu e não pôde comparecer ao Sacrifício Imperial Feng. Suspeitando que seu dias estavam chegando ao fim, chamou seu filho de volta para concluir o trabalho histórico que ele tinha começado. Sima Tan queria seguir ''[[Os Anais de Primavera e Outono]]'', a primeira crônica histórica da literatura chinesa. Aproveitando a inspiração do pai, Sima Qian começou a compilar o ''[[Shiji]]'' em 109 a. C. Em 105 a. C., Sima foi escolhido como um dos eruditos para a reforma do calendário. Como um alto funcionário imperial, Sima também tinha como função dar conselhos ao imperador sobre assuntos gerais do Estado.
 
[[Ficheiro:Sima Qian.png|thumb|180px|Representação of Sima Qian.]]
Em 99 a. C. Sima Qian se envolveu na Questão Li Ling: [[Li Ling (Dinastia Han)|Li Ling]] e Li Guangli (李广利), dois militares que lideraram uma campanha contra o [[Xiongnu]] no norte, foram derrotados e levados cativos. O imperador Han Wudi atribuiu a derrota a Li Ling e todos os funcionários do governo condenaram Li Ling pela derrota. Sima foi a única pessoa a defender o general<ref name="encyclopedia.com" /> Li Ling, que nunca tinha sido seu amigo, mas a quem ele respeitava. O imperador Han Wudi interpretou a defesa de Li Ling por Sima como um ataque a seu cunhado, que também lutou contra a Xiongnu sem muito sucesso, e condenou Sima à morte. Naquele tempo, a execução poderia ser [[comutação de pena|comutada]] ou por dinheiro ou por [[castração]]. Visto que Sima não possuía dinheiro suficiente para expiar seu "crime", ele escolheu a segunda alternativa e foi então levado preso, onde passou três anos. Sima descreveu a dor assim: "Quando você vê o carcereiro você abjetamente toca o chão com sua testa. A mera visão de seus subordinados gera apreensão com terror … Tal ignomínia nunca pode ser apagada".
 
 
== Historiador ==
[[Ficheiro:Shiji.jpg|direita|thumb|180px|A primeira página do ''Shiji''.]]
Embora o estilo e forma dos escritos históricos chineses tenham variado ao longo dos tempos, o ''[[Shiji]]'' definiu a qualidade e o estilo a partir de então. Antes de Sima, as histórias eram escritas como certos eventos ou certos períodos da história dos Estados; sua ideia de fazer uma história geral influenciou historiadores posteriores como Zheng Qiao (鄭樵) ao escrever Tongshi (通史) e [[Sima Guang]] (司馬光) quando escreveu [[Zizhi Tongjian]] (資治通鑑). A forma histórica chinesa de dinastia histórica, ou história das dinastias Jizhuanti, foi codificada na segunda história dinástica pela [[Han Shu|História de Han]] (漢書) de [[Ban Gu]] (班固), mas os historiadores consideram a obra de Sima como seu modelo, que se destaca como o "formato oficial" da história da China.