Diferenças entre edições de "Tiristor"

6 bytes adicionados ,  14h38min de 20 de julho de 2020
m
Recolocada palavra esquecida na edição anterior. ;-P
m (Adequação à norma culta e à escrita científica. "Mesmo" não deve ser usado como pronome pessoal. Separa-se o valor da grandeza de sua unidade.)
m (Recolocada palavra esquecida na edição anterior. ;-P)
Os [[SCR]]s (Silicon Controlled Rectifier) são dispositivos semicondutores cuja condição de sentido direto é comandável através da aplicação de um pulso de corrente ao [[terminal]] de Porta (ou gate em inglês). A condução, uma vez iniciada se mantém, mesmo na ausência do sinal no terminal de porta, até que a [[Corrente elétrica|corrente]] que o atravessa caia abaixo de um determinado valor, o qual denominamos de Corrente de Manutenção de Condução, em inglês Holding Current (IH). Em sentido inverso, o SCR comporta-se como um [[diodo]] normal. Os SCR's são empregados em [[corrente alternada]] como [[retificador]]es controlados, e quando utilizados em [[corrente contínua]] comportam-se como chaves. O SCR é apenas um tipo de tiristor, mas devido ao seu disseminado uso na indústria, muitas vezes os termos tiristor e SCR são confundidos. Os [[TRIAC]]'s são dispositivos semicondutores comumente utilizados em comutação de [[corrente alternada]].
 
Já os Diacs são dispositivos semicondutores de avalanche bidirecional, também da classe dos tiristores e de junção PNPN. Possuem a propriedade de apresentarem muito alta impedância, se a tensão entre seus dois terminais for mantida abaixo de uma tensão, chamada comumente de Tensão de Ruptura. Se essa tensão, geralmente em torno dos 30 V, for ultrapassada, o Diac passa a conduzir corrente elétrica, e tem sua impedância uma queda brusca. Os Diacs são geralmente utilizados como auxiliares de disparo em Triacs, em osciladores de relaxação.
O Tiristor (Triac) pode ser usado para controle de potência para lâmpadas (dimmers), controles de velocidade para ventiladores, controle de aquecimento, entre outros.
Com o TRIAC é possível controlar o início da condução da senoide, aplicando um pulso em um ponto pré-determinado do ciclo de corrente alternada. Esse pulso no pino de disparo (GATE) está na ordem de miliamperes, e assim pode-se controlar grandes cargas AC com uma corrente baixa de acionamento. Porém, para o correto disparo é necessário um circuito para identificar a passagem por zero da senoide. Esse circuito é conhecido como detector de zero-crossing.
217

edições