Diferenças entre edições de "António Damas Mora"

m
sem resumo de edição
m
m
Etiquetas: Editor Visual Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
 
Exerceu o cargo de Governador Interino da [[África Ocidental Portuguesa|Colónia de Angola]] entre [[1928]] e [[1929]], tendo sido antecedido por [[António Vicente Ferreira]] e sucedido por [[Filomeno da Câmara de Melo Cabral]].<ref>[http://www.rulers.org/rula2.html#angola Rulers.org - Angola]</ref><ref>[http://www.worldstatesmen.org/Angola.html worldstatesmen.org - Angola]</ref><ref>African States and Rulers, John Stewart, McFarland</ref>
 
Era filho de Augusto de Oliveira Mora e de sua mulher Gertrudes Maria de Jesus Damas e irmão de José Maria Damas Mora (1873-1942), conceituado médico, Gertrudes Damas Mora (1875-?) e Augusto Damas Mora (1885-1940), funcionário público e .
 
[[Licenciatura|Licenciou-se]] em [[Medicina]] em [[1901]], na [[Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa]], apresentando a tese intitulada ''“Breves considerações sobre o fórceps como Tractor”''. Especializou-se mais tarde no ramo da [[Medicina Tropical]]. Em Abril de [[1896]] alistou-se no [[Exército]], como voluntário, e foi colocado em [[1902]] no Quadro de Saúde de [[África Ocidental Portuguesa|Angola]] e [[História de São Tomé e Príncipe|São Tomé e Príncipe]], onde se dedicou ao estudo da doença do sono. Com efeito, organizou o I Congresso de Medicina Tropical da África Ocidental ([[1923]]) e chefiou várias missões de combate ao Paludismo e à Doença do sono. [[José Norton de Matos]] fez um comentário a este congresso em ''Memórias e trabalhos da minha vida'': “O principal fim que tive em vista com este Congresso, foi mostrar ao mundo científico o que se estava fazendo numa colónia portuguesa em matéria de assistência médica aos indígenas. A realização deste congresso marcou, por si só, uma época admirável na história da colonização de Angola. Todos os louvores serão poucos para os distintos médicos que para essa realização concorreram.”
796

edições