Nequerofrés: diferenças entre revisões

Sem alteração do tamanho ,  13h03min de 3 de novembro de 2021
Correção
(Ajustes + melhorias ao artigo)
(Correção)
Na mastaba foram encontrados os restos mortais de um homem com mais de {{Altura|metres=1.87}} de altura. De acordo com [[Charles S. Myers]], essa estatura era consideravelmente mais alta do que a média de {{Converter|1.67|m|ft}}. Dos egípcios pré-históricos e posteriores. O crânio do espécime era muito grande e espaçoso. Embora seu [[Índice cefálico|índice craniano]] fosse incomumente largo e quase [[Braquicefalia|braquicefálico]], as proporções de seus ossos longos foram adaptadas tropicamente como as da maioria dos outros antigos egípcios; especialmente aqueles do período pré-dinástico. Suas características cranianas gerais, no entanto, eram mais próximas das dos crânios egípcios do período dinástico.{{Sfn|Myers|1901|pp=152–153}}
 
Consequentemente, a mastaba foi associada a uma anedota relatada por Manetão na qual ele conta sobre um rei tardio da II dinastia, chamado ''[[Sesócris]]'', que ele descreve como sendo particularmente alto. O egiptólogo Wolfgang Helck propôs outra hipótese; a saber, a tumba de Nequerofrés é uma estrutura inacabada a oeste da [[Pirâmide de Joser|pirâmide de Joser]].{{Sfn|Helck|1987|p=20}}{{Sfn|Helck|1987|p=21}}]]
 
Embora o caso de Nequerofrés frequentemente apareça na literatura médica como um caso potencial de [[doença hipofisária]], há muitos anos não existe um consenso definitivo sobre se se tratava de [[acromegalia]] ou [[gigantismo]]. Em 2017, o [[Paleopatologia|paleopatologista]] Francesco M. Galassi e o egiptólogo Michael E. Habicht, do Instituto de Medicina Evolutiva da Universidade de Zurique, coordenaram uma equipe internacional de pesquisadores para reavaliar este caso. A conclusão deles foi que os supostos restos mortais de Nequerofrés são claramente o caso mais antigo conhecido de gigantismo no mundo.<ref>{{Citar periódico |url=https://www.thelancet.com/journals/landia/article/PIIS2213-8587(17)30171-7/abstract |titulo=Oldest case of gigantism? Assessment of the alleged remains of Sa-Nakht, king of ancient Egypt |data=2017-08-01 |acessodata=2021-11-03 |jornal=The Lancet Diabetes & Endocrinology |número=8 |ultimo=Galassi |primeiro=Francesco M. |ultimo2=Henneberg |primeiro2=Maciej |paginas=580–581 |lingua=English |doi=10.1016/S2213-8587(17)30171-7 |issn=2213-8587 |pmid=28732663 |ultimo3=Herder |primeiro3=Wouter de |ultimo4=Rühli |primeiro4=Frank |ultimo5=Habicht |primeiro5=Michael E.}}</ref><ref>{{Citar web |url=https://www.newsweek.com/ancient-egypt-giant-pharaoh-king-sanakht-647292 |titulo=World's earliest known giant was an ancient Egyptian pharaoh, scientists say |data=2017-08-07 |acessodata=2021-11-03 |website=Newsweek |lingua=en}}</ref>
3 950

edições