Diferenças entre edições de "Academia Maranhense de Letras"

10 bytes removidos ,  00h09min de 27 de agosto de 2007
m
sem resumo de edição
m (retirando parte jogada no copia e cola, endereço, telefone e outras maluquices)
m
{{wikificar}}
{{portal-academia}}
A '''Academia Maranhense de Letras''' ('''AML''') é a entidade [[literatura|literária]] máxima do estado [[brasil]]eiro do [[Maranhão]], fundada a [[10 de agosto]] de [[1908]].
 
==Histórico==
Duas agremiações literárias, entre outras, se destacaram com o fervilhar cultural na [[São Luís (Maranhão)|São Luís]] do finalfim do [[século XIX]] e começo do [[século XX|XX]]: a '''[[Oficina dos Novos]]''' e a '''[[Renascença Literária]]'''. Foram precursoras da '''Academia Maranhense'''.
 
==Oficina dos Novos==
A '''Oficina''', inaugurada a [[28 de julho]] de [[1900]], tinha uma estrutura similar à das [[Academia de Letras|Academias de Letras]], embora seus membros se denominassem '''''Operários''''' e formada inicialmente por vinte cadeiras. Estas, depois, contando os membros honorários e correspondentes, teve o quadro ampliado para trinta - cada uma delas sob um patronato. Publicava um boletim oficial chamado "''Os Novos''", em cujo frontispício lia-se: "''periódico evolucionista''".
 
A inspiração maior da Oficina era o poeta local, [[Gonçalves Dias]], que era Patrono Geral da instituição. Os objetivos dos seus integrantes era organizar uma boa estante gonçalviana, editar a obra do poeta e, mais tarde, renomear a Oficina para "''Grêmio Literário Gonçalviano''"
==Fundação da Academia==
A Academia Maranhense de Letras, inaugurada às 19 horas do dia [[10 de agosto]] de [[1908]], também demonstrou resolução de escolher o poeta [[Gonçalves Dias]] como seu patrono geral. Fundada no salão de leitura da Biblioteca Pública do Estado (o prédio, a partir de [[1950]], tornaria-se sua sede), contou com 20 cadeiras e, inicialmente, 12doze participantes:
 
::Antônio Lobo, Alfredo de Assis, Astolfo Marques, Barbosa de Godois, Corrêa de Araújo, Clodoaldo de Freitas, Domingos Barbosa, Fran Paxeco, Godofredo Viana, Inácio Xavier de Carvalho, Ribeiro do Amaral e Vieira da Silva.