Abrir menu principal

Movimento dervixe somali

(Redirecionado de Estado Dervixe)
Movimento dervixe somali

Halgankii Daraawiishta • Dervixe

1899 — 1920 
Capital Taleh

Religião Islã com orientação Sufi

Mullah, Sayid[1]
• 1899-1920  Mohammed Abdullah Hassan

História  
• 1899  Fundação
• 1920  Dissolução

O movimento dervixe somali (somali: Halgankii Daraawiishta ) foi uma resistência armada às potências coloniais - particularmente os britânicos - no Chifre da África, entre 1899 e 1920.[2][3] Foi liderado pelo poeta muçulmano sufi Salihiyya e líder militante Mohammed Abdullah Hassan, também conhecido como Sayyid Mohamed, que visava a eliminação do estado colonial e dos infiéis estrangeiros, a derrota das forças etíopes que apoiavam as potências coloniais e a criação de um Estado muçulmano.[2][3] Hassan estabeleceu um conselho governante chamado Khususi, composto de líderes de clãs islâmicos e anciãos, acrescentou um assessor do Império Otomano chamado Muhammad Ali e, assim, criou um movimento de libertação nacionalista multi-clânico no que mais tarde viria a ser a Somália.[3][2][4]

O movimento dervixe atraiu entre 5.000 e 6.000 jovens de diferentes clãs entre 1899 e 1900, adquiriu armas de fogo e depois atacou o exército etíope na região de Jigjiga. O exército etíope recuou dando aos dervixes seu primeiro sucesso.[5][nota 1] O movimento dos dervixes declarou a administração colonial britânica como sua inimiga. Para acabar com o movimento, os britânicos adotaram uma estratégia de dividir para conquistar e procuraram os clãs rivais como parceiros de coalizão contra o movimento dervixe. Os britânicos abasteceram esses clãs com armas de fogo e suprimentos, provocando uma guerra entre clãs. Os britânicos também lançaram ataques punitivos entre 1900 e 1904 para erradicar o exército dos dervixes.[2][3] O movimento dervixe sofreu perdas no campo, reagrupou-se em unidades menores e recorreu à guerra de guerrilha militante. Hasan e seus partidários se mudaram para a Somalilândia controlada pela Itália em 1905, onde Hasan assinou o Tratado Illig e depois fortaleceu seu movimento.[2] Em 1908, os dervixes entraram novamente na região britânica e começaram a infligir grandes perdas às potências coloniais nas regiões do interior do Chifre da África. Os britânicos recuaram para as regiões costeiras, deixando as regiões do interior para a caótica guerra de clãs. A Primeira Guerra Mundial deslocou a atenção das forças coloniais para outros lugares e, em seu final, em 1920, os britânicos lançaram um massivo ataque terrestre, aéreo e marítimo aos redutos dos dervixes em Taleh.[3][5] Isso dizimou os dervixes, embora seu líder Mohammed Abdullah Hassan tenha sobrevivido ao ataque britânico. Sua morte em 1921 devido a malária ou gripe findou com o movimento dervixe.[2][3][7]

O movimento dervixe criou temporariamente um "proto-Estado" móvel somali no início do século XX, com fronteiras fluidas e população flutuante.[8] Foi um dos mais sangrentos e longos movimentos militantes na África subsaariana durante a era colonial, daqueles que coincidiram com a Primeira Guerra Mundial. As batalhas entre vários lados – particularmente entre os dervixes e os britânicos e entre os clãs – ao longo de mais de duas décadas mataram quase um terço da população do norte da Somália e violaram a economia local.[7][9][10] Estudiosos interpretam variadamente o surgimento e o desaparecimento do movimento militante dervixe na Somália. Alguns consideram a ideologia "islâmica sufista" como condutora; outros consideram a crise econômica desencadeada ao estilo de vida nômade pela ocupação e a ideologia da "predação colonial" como o gatilho do movimento dervixe; enquanto os pós-modernistas afirmam que tanto a religião quanto o nacionalismo criaram a ideologia do movimento dervixe.[3]

NotasEditar

  1. O termo dervixe, afirma Abdullah A. Mohamoud citando Beachey, tem origens no dervi turco ou darvesh persa. Significa "combatentes ardentes pelo Islã" com um estilo de vida austero.[6]

Referências

  1. ʻAbdi ʻAbdulqadir Sheik-ʻAbdi (1993). Divine madness: Moḥammed ʻAbdulle Ḥassan (1856-1920). [S.l.]: Zed Books. p. 67 
  2. a b c d e f Emmanuel Kwaku Akyeampong; Mr. Steven J. Niven (2012). Dictionary of African Biography. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 35–37. ISBN 978-0-19-538207-5 
  3. a b c d e f g Abdullah A. Mohamoud (2006). State Collapse and Post-conflict Development in Africa: The Case of Somalia (1960-2001). [S.l.]: Purdue University Press. pp. 60–61, 70–72 with footnotes. ISBN 978-1-55753-413-2 
  4. Mukhtar, Mohamed (2003). Historical Dictionary of Somalia. [S.l.: s.n.] p. 27 
  5. a b Abdi Ismail Samatar (1989). The State and Rural Transformation in Northern Somalia, 1884-1986. [S.l.]: Univ of Wisconsin Press. pp. 38–39. ISBN 978-0-299-11994-2 
  6. Abdullah A. Mohamoud (2006). State Collapse and Post-conflict Development in Africa: The Case of Somalia (1960-2001). [S.l.]: Purdue University Press. p. 71 with footnote 81. ISBN 978-1-55753-413-2 
  7. a b Richard H. Shultz; Andrea J. Dew (2009). Insurgents, Terrorists, and Militias: The Warriors of Contemporary Combat. [S.l.]: Columbia University Press. pp. 67–68. ISBN 978-0-231-12983-1 
  8. Markus V. Hoehne (2016). John M Mackenzie, ed. The Encyclopedia of Empire. [S.l.]: John Wiley & Sons. ISBN 978-11184-406-43. doi:10.1002/9781118455074.wbeoe069 
  9. Michel Ben Arrous; Lazare Ki-Zerbo (2009). African Studies in Geography from Below. [S.l.]: African Books. p. 166. ISBN 978-2-86978-231-0 
  10. Robert L. Hess (1964). «The 'Mad Mullah' and Northern Somalia». Cambridge University Press. The Journal of African History. 5 (3): 415-433. JSTOR 179976 

Ligações externasEditar